Carla Carniel/Reuters
Carla Carniel/Reuters

Mercado financeiro não deve ter uma nova Carta ao Povo

Vinte anos depois, não há razão para se esperar uma nova carta de Lula aos ‘faria limers’

Luís Eduardo Assis, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2022 | 05h00

O mercado financeiro, essa entidade mediúnica, joga tradicionalmente um papel importante nas eleições presidenciais brasileiras. Não, certamente, pelos votos que pode oferecer ou angariar diretamente. A tribo dos “faria limers” é diminuta. Mas seu poder de fogo é desproporcionalmente poderoso, já que pode comandar movimentos especulativos bruscos fundamentados em verdades, meias-verdades, crenças, dogmas e mitos. Esses arroubos não só definem ganhadores e perdedores como podem também afetar a vida dos cidadãos que não diferenciam uma posição “short” de uma posição “long” e, dessa forma, influenciam o direcionamento dos candidatos.

O próximo dia 22 de junho marcará os 20 anos da publicação da Carta ao Povo Brasileiro, assinada pelo então candidato Lula. O “povo” do título é uma firula retórica, já que o destinatário da mensagem era o mercado financeiro, que se contorcia em cólicas diante da possibilidade de o PT assumir a Presidência e chacoalhar as doutrinas que inspiram a fé dos operadores.

O candidato não deixou por menos, para assombro dos que dele esperavam um enfrentamento. Falou da necessidade de exportar mais e da desoneração da produção por meio de uma reforma tributária. A reforma agrária, bandeira secular da esquerda brasileira, ganhou tanto destaque quanto a reforma da previdência. O candidato alertava ainda que nada se faria “num passe de mágica”, uma concessão pragmática às dificuldades da vida, e teria como premissa “o respeito aos contratos e obrigações do País”.

Mencionava ainda a necessidade de “superar a fragilidade das finanças públicas” e se comprometia a preservar o superávit primário “o quanto for necessário para impedir que a dívida interna aumente”.

Essa cândida profissão de fé não teve efeito imediato (o dólar ainda subiu e a bolsa continuou caindo), mas muito ajudou Lula quando ficou claro que ele ganharia a eleição.

Tudo sugere que desta vez é diferente e o mercado não merecerá tantos rapapés. Os tremeliques da bolsa e os espasmos na curva de juros pouco alteram a vida das pessoas. O diabo está no câmbio, que afeta diretamente os preços dos produtos agrícolas e dos combustíveis. Mas uma queda forte do dólar, no rastro de declarações conciliatórias de Lula, poderia mitigar a inflação, o que beneficiaria Bolsonaro. Não, não há razão para se esperar uma nova carta ao povo da Faria Lima. Fica para depois.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.