André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Mercado financeiro reduz projeção de avanço da taxa de juros em 2019

A mediana das estimativas para a taxa básica de juros da economia brasileira em 2019 passou de 7,13% para 7%

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2019 | 09h13

Os economistas do mercado financeiro alteraram suas projeções para a Selic (a taxa básica de juros) para o fim de 2019. O Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central, trouxe nesta segunda-feira, 7, que a mediana das previsões para a Selic este ano passou de 7,13% para 7,00% ao ano. Há um mês, estava em 7,50%. As projeções para a Selic no fim de 2020 e de 2021 seguiram em 8,00%, igual ao visto quatro semanas atrás. 

Os economistas esperam pela manutenção da Selic no atual patamar, de 6,50% ao ano, até outubro de 2019, quando o BC daria início a um novo ciclo de alta de juros.

A projeção é de que a Selic suba de 6,50% para 6,75% em outubro. Depois, em dezembro de 2019, a taxa passaria para 7,00% ao ano. Conforme o Sistema de Expectativas, a Selic seguiria subindo até abril de 2020, quando atingiria 8,00% ao ano, encerrando o ciclo de alta.

As estimativas de inflação, medidas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), se mantiveram constantes para 2018 e 2019. O documento mostra que a mediana para o IPCA do ano passado seguiu com alta de 3,69%. Há um mês estava em 3,71%. A projeção para o índice em 2019 seguiu em 4,01%. Quatro semanas atrás estava em 4,07%.

A projeção dos economistas para a inflação está abaixo do centro da meta de 2018, de 4,5%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 3,0% a 6,0%). Para 2019, a meta é de 4,25%, com margem de 1,5 ponto (de 2,75% a 5,75%).

A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 seguiu em 1,30%, mesma estimativa de crescimento de quatro semanas atrás. Para 2019, o mercado alterou levemente a previsão de alta do PIB, de 2,55% para 2,53%.

Para o dólar, o relatório mostrou manutenção no cenário para a moeda norte-americana em 2019. A mediana das expectativas para o câmbio no fim do ano seguiu em R$ 3,80, igual ao verificado há um mês. Para 2020, a projeção para o câmbio no fim do ano também seguiu em R$ 3,80, igual ao de quatro pesquisas atrás.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.