Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Mercado financeiro sobe para 2,65% estimativa de inflação em 2020 e vê tombo menor do PIB

Pela décima semana seguida economistas aumentaram suas projeções para o IPCA, que, há um mês, eram de alta de 1,99%; previsão de queda do PIB no ano passou para 5%

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2020 | 09h28

BRASÍLIA - Os economistas do mercado financeiro alteraram a previsão para o IPCA - o índice oficial de preços - em 2020. O Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira, 19, pelo Banco Central, mostra que a mediana para o IPCA neste ano foi de alta de 2,47% para 2,65%. Há um mês, estava em 1,99%. Trata-se da décima semana seguida de alta nas projeções.

A projeção para o índice em 2021 seguiu em 3,02%. Quatro semanas atrás, estava em 3,01%. O relatório Focus trouxe ainda a projeção para o IPCA em 2022, que seguiu em 3,50%. No caso de 2023, a expectativa permaneceu em 3,25%. Há quatro semanas, essas projeções eram de 3,50% e 3,25%.

A projeção dos economistas para a inflação ainda está bem abaixo do centro da meta de 2020, de 4%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,50% a 5,50%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). A meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (de 2,00% a 5,00%), enquanto o parâmetro para 2023 é inflação de 3,25%, com margem de 1,5 ponto (de 1,75% a 4,75%).

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic).

Em 9 de outubro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a inflação de setembro foi de 0,64%. Em 12 meses, a taxa acumulada está em 3,14%.

Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das projeções para 2020 foi de 2,77% para 2,82%. Para 2021, a estimativa do Top 5 seguiu em 3,17%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de 2,05% e 3,20%, respectivamente.

Produto Interno Bruto

No caso do comportamento do PIB, a previsão dos economistas para a retração da economia passou de 5,03% para 5% neste ano. Para 2021, o mercado baixou de 3,50% para 3,47% a estimativa de expansão da atividade econômica. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

A expectativa para o nível de atividade foi feita em meio à pandemia do novo coronavírus, que tem derrubado a economia mundial e colocado o mundo no caminho de uma recessão. Nos últimos meses, porém, indicadores têm mostrado uma retomada da economia brasileira. Em setembro, o governo brasileiro manteve a expectativa de queda de 4,7% para o PIB de 2020.

 

Após a manutenção da taxa básica de juros em 2% ao ano em setembro, o mercado segue prevendo estabilidade na Selic neste patamar até o fim deste ano.

Para o fim de 2021, a expectativa do mercado ficou estável em 2,50% ao ano. Isso quer dizer que os analistas seguem estimando alta dos juros no ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.