Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercado imobiliário: analistas estão otimistas

Analistas do mercado imobiliário estão otimistas e apostam no crescimento do mercado em 2001. Eles acreditam que a mudança nas regras de aplicação dos recursos dos fundos de pensão, que têm de baixar suas carteiras de imóveis de 20% do seu patrimônio para 10% até 2007, não afetará o crescimento do setor. A redução contínua das taxas de juros, o crescimento da economia brasileira, a manutenção do controle da inflação e o aumento no volume de vendas e lançamentos são os fatores que deixam os especialistas otimistas.O diretor da consultoria imobiliária Cushman e Wakefield, Paul Weeks, acredita que a demanda de imóveis será forte neste ano. Ele aponta a queda dos juros e o crescimento da economia como elementos fundamentais para o bom desenvolvimento do setor em 2001. "Apesar do aumento de ofertas no mercado, os preços devem ficar estáveis", explica. O executivo não acredita que a nova regra dos fundos de pensão prejudique os novos lançamentos em 2001.O diretor da companhia hipotecária Brazilian Mortages, Fábio Nogueira, também aposta que as mudanças dos fundos de pensão não afetarão o mercado. Ele acredita que os fundos terão que se enquadrar às novas regras, mas é preciso considerar que os fundos estão crescendo. Até 2007 - data limite para o enquadramento dos portifólios dos fundos no segmento imobiliário - o porcentual de 10% do patrimônio dos fundos deverá representar um volume superior ao volume atual, apesar da queda na participação relativa. Segundo Nogueira, as perspectivas são positivas para este ano e as ofertas devem crescer em diversos segmentos do setor. "Ocorrerá um aumento nas ofertas, mas os preços devem continuar estáveis. Além disso estão previstos novos lançamentos de produtos nos diversos setores do mercado", ressaltaSecovi prevê aumento no número de novos lançamentosA previsão de aumento no volume de lançamentos e na velocidade de vendas são os dois fatores que levam o presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Comerciais e Residenciais de São Paulo (Secovi-SP), Romeu Chap Chap, a apostar no crescimento do mercado em 2001. A expectativa da instituição é que a velocidade de vendas tenha um desempenho de 2% a 7% melhor que no ano passado. "O volume de lançamentos deve ter um aumento de 5% a 8% com relação a 2000", ressalta. BankBoston prevê queda dos juros de financiamentosA diretora-adjunta do crédito imobiliário do BankBoston, Patrícia Kassab do Plessis, diz que a instituição também está otimista para este ano. "A perspectiva é de que as ofertas aumentem no mercado imobiliário neste ano", avalia. A executiva acredita que o cenário atual de crescimento da economia brasileira e com a queda de juros irá favorecer o aquecimento do mercado. Patrícia prevê financiamentos com prazos mais extensos e juros menores. " Os juros podem cair, mas os preços devem continuar estáveis", prevê.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.