Mercado imobiliário está otimista

O clima de otimismo que costuma tomar conta do comércio no fim de ano já atingiu o mercado imobiliário. De acordo com estudo da Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio (Embraesp), em outubro foram lançados 40 empreendimentos na região metropolitana de São Paulo, 34 na capital. No total, 3.268 novas unidades entraram no mercado, em 56 blocos."Outubro não é sistematicamente um mês de grande movimento, mas a expectativa criada em função das crises adiou um pouco os lançamentos, que, normalmente, começariam em agosto", explica o diretor da Embraesp, Luiz Paulo Pompéia. No mesmo período do ano passado o total de lançamentos residenciais foi de 35. Segundo Pompéia, o número de novos empreendimentos até o fim do ano deve aumentar em relação a outubro, se equiparando ao registrado em 2000.O movimento no último trimestre do ano deve melhorar as condições atuais do mercado imobiliário, que a partir de junho foi abalado pelas crises energética e argentina e em setembro pelos atentados terroristas aos Estados Unidos.Segundo o diretor do Sindicato da Habitação (Secovi) Sérgio Ferrador, no ano passado a previsão era de que o setor teria um crescimento de 10% em 2001. A expectativa de que a taxa de juros baixaria e a Caixa Econômica Federal continuaria atuando como em 2000 contribuiu para essa previsão. No entanto, as mudanças na situação econômica do País levaram a uma queda de 9% no Índice de Velocidade de Vendas de janeiro a setembro. "Esperamos que com as vendas do período, que costumam aumentar no fim de ano, esse índice chegue, pelo menos, a -1% ou -2%", diz Ferrador.Com base nos últimos contatos feitos com as empresas do setor, o diretor do Secovi afirma que a resposta do consumidor aos lançamentos está sendo boa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.