Mercado imobiliário pode ter crescimento

O sistema imobiliário brasileiro deve ser fortalecido com o crescimento da participação de bancos privados no mercado de crédito habitacional. Ou as instituições financiam os clientes que queiram adquirir imóvel ou ficam fora do mercado. A avaliação é do consultor imobiliário da companhia hipotecária Brazilian Mortgages, Fábio Nogueira, com base nas mudanças das regras de financiamento pela Caixa Econômica Federal (CEF).A CEF restringiu a liberação de cartas de crédito para a compra de imóveis novos ao cliente que ganha acima de 12 salários mínimos, tornou obrigatória a formação de uma Poupança de Crédito Imobiliário (PCI) de 12 meses antes da aprovação do crédito e subiu as taxas de juros, de 10,5% para 12% ao ano, dos financiamentos de imóveis novos. Fábio Nogueira argumenta que a CEF começa a se retirar do mercado justamente no momento em que o Banco Central promove a redução das taxas de juros. "Por essa razão, os bancos privados devem aproveitar o momento propício da estabilidade e crescimento da economia brasileira, com baixas taxas de juros, se quiserem competir com bancos estrangeiros que estão chegando ao Brasil para atuar fortemente no mercado do varejo", avaliou.O consultor defende que as mudanças da CEF seriam motivo de censura se o banco tivesse privado a classe com menor poder aquisitivo de ter acesso ao financiamento. Porém, argumenta ele, a instituição tem razão quando desempenha o papel social e transfere para o mercado a responsabilidade de financiar a classe média. Atualmente, informou ele, a CEF é responsável pelo atendimento de 80% dos pedidos de financiamento habitacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.