Mercado imobiliário registra aquecimento

O mercado imobiliário tem dado sinais de aquecimento. Segundo representantes do setor e analistas, os investidores buscam essa opção de investimento como uma maneira de colocar recursos em ativos reais, aceitando por isso um rendimento abaixo das opções mais seguras disponíveis no mercado financeiro, como os fundos referenciados DI (pós-fixados) e a caderneta de poupança.O sócio-diretor da Oficina da Imagem, Luiz Turano, é um dos profissionais que atuam no mercado imobiliário e já perceberam o aquecimento do setor. A Oficina da Imagem faz a gestão de Internet da Gafisa, meio responsável por 5% das vendas da incorporadora. Ele cita a demanda por pré-reservas como um sinal de maior interesse dos investidores. "Em uma semana, o montante de pré-reservas foi de R$ 5,5 milhões. Esse valor foi recorde e refere-se a um lançamento no Rio de Janeiro. Para se ter uma idéia, esse total ficou um pouco abaixo do registrado em pré-reservas no primeiro semestre do ano passado, quando o montante foi de R$ 6 milhões". Turano explica que a pessoa interessada em comprar o imóvel faz a pré-reserva e um corretor entra em contato a fim de fechar o negócio. Segundo ele, no Rio de Janeiro, a cada dez operações de pré-reserva, quatro são efetivadas. O número de visitas ao site também demonstra o maior interesse dos investidores. Em junho, segundo o sócio-diretor da Oficina da Imagem, havia uma média de 20 mil visitas ao site. Em setembro, esse número subiu para 29 mil. Já o número de visitantes únicos - que considera o número de internautas sem levar em conta o número de vezes que cada um deles acessou o site - foi de 2 mil em junho, subindo para 8 mil em julho, 10 mil em agosto e 11 mil em setembro. Aquecimento começou no início do anoA Tecnisa é uma incorporadora que atua no segmento residencial, de médio e alto padrão. São imóveis de alto valor agregado e localizados em regiões de elevado padrão. O diretor de novos negócios da Tecnisa, Ricardo Pereira Leite, também percebeu um aumento do interesse de investidores pelo mercado imobiliário. "Isso vem acontecendo desde o início do ano e o motivo principal é que o investidor está fugindo risco", afirma.Segundo ele, em agosto, o número de negócios realizados foi 50% maior do que a média mensal verificada nesse ano e a expectativa é de que os números fechados de setembro também sejam muito expressivos. "Nesse momento, a opção por imóvel é uma reserva de valor. Nunca o investidor esteve tão presente. Acredito que essa participação está cinco vezes maior A percepção que se tem é que o investidor está comprando para ter onde colocar o dinheiro", afirma. Veja mais informações sobre o setor imobiliário e sobre a compra de imóveis como forma de investimento nos links abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.