Divulgação
Divulgação

Inflação e juros devem afetar ciclo de expansão do mercado imobiliário no 2º semestre

Em painel sobre as perspectivas para o setor realizado durante o prêmio Top Imobiliário, nesta quinta-feira, 30, especialistas afirmaram que dificuldades de curto prazo não devem atrapalhar o futuro da construção civil no País

Wesley Gonsalves, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2022 | 21h38

O mercado imobiliário terá de lidar com uma lista de pressões durante o segundo semestre de 2022. As eleições presidenciais, a alta na inflação, o aumento na taxa básica de juros e a continuidade da guerra na Ucrânia devem atrapalhar o ciclo de crescimento em que o setor se encontrava no País.

Apesar das dificuldades no curto prazo, investidores se mantêm confiantes com o futuro da construção civil no Brasil, conforme avaliam os especialistas no painel sobre Perspectivas Para o Mercado Imobiliário da 29.ª edição do prêmio Top Imobiliário, que é realizada pelo Estadão em parceria com a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp).

Mediado pelo jornalista Circe Bonatelli, da Agência Estado, o encontro virtual teve a participação da  coordenadora de projetos da construção da FGV, Ana Maria Castelo, do  pesquisador da Fipe e sócio da Kognita, Eduardo Zylberstajn, e da  economista da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Ieda Vasconcelos. 

Com impacto direto nos financiamentos imobiliários, o ciclo de altas na taxa básica de juros do Banco Central é um dos pontos a partir de julho. Para a coordenadora de projetos da construção da FGV, o segmento de baixa renda deve ser o mais afetado, já que esse cliente é mais sensível aos repasses de custos. “As perspectivas de  continuidade desse ciclo de crescimento estão em xeque, sustentá-lo será bastante complicado”, avalia Ana Maria.

Pressões domésticas e externas 

Na opinião da economista da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), a confluência de pressões domésticas e do cenário de crise global pode reduzir o número de novos empreendimentos imobiliários. “Nos preocupa a questão dos juros e o arrefecimento que isso pode causar na economia tanto no segundo semestre quanto no começo do próximo ano", comenta Ieda.

A proximidade das eleições presidenciais e o cenário de polarização também têm potencial para afetar os negócios. De acordo com os especialistas, independentemente dos resultados do pleito de 2022, o cenário de alta nos juros básicos só deve ser suspenso no fim do ano. “Seja Lula ou Bolsonaro, apesar de muito diferentes, nós teremos um cenário de inflação”, afirma o pesquisador da Fipe e sócio da Kognita.

Prêmio

Além de debater sobre os rumos dos negócios na construção civil, o evento também revelou divulgar a lista das 30 empresas mais reconhecidas do setor. A premiação do 29.ª do Top Imobiliário foi dividida em três categorias.  

Confira os vencedores de cada categoria:

Incorporadora:

1° CYRELA BRAZIL REALTY

2° TENDA 

3° PLANO & PLANO 

4° CURY 

5° MITRE 

6° KALLAS 

7° ONE  

8° ECON 

9° DIÁLOGO 

10° TRISUL

Vendedora:

1° LOPES 

2° SELLER E VIVAZ 

3° ABYARA BROKERS 

4° TENDA 

5° CURY 

6° PLANO & VENDAS 

7° FERNANDEZ MERA 

8° ECON 

9° TRISUL 

10° INNOVA

Construtora:

1° TENDA 

2° CYRELA BRAZIL REALTY 

3° PLANO & PLANO  

4° CURY 

5° KALLAS 

6° P4 ENGENHARIA 

7° ECON 

8° MITRE 

9° MRV 

10° DIÁLOGO

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.