Mercado: IPC fica dentro das expectativas

O mercado financeiro começou o dia com a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), referente ao mês de agosto. O resultado, 1,55%, ficou dentro das expectativas dos analistas, o que deve trazer tranqüilidade para os investidores em uma semana de poucos negócios, devido ao feriado nos Estados Unidos ontem e no Brasil na quinta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo abriu em queda de 0,19% e há pouco registrava baixa de 0,50%. O dólar comercial, que registrou alta de 0,11% ontem, está cotado a R$ 1,8290 na ponta de venda dos negócios - uma alta de 0,11% em relação aos últimos negócios dessa segunda-feira. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 17,080% ao ano no início da manhã, frente a 17,035% ao ano registrados ontem. O recuo da inflação é um alívio para os investidores, que viam com apreensão a tendência de alta nos índices. A redução das taxas de juros, promovida pelo Comitê de Política Monetária (Copom), foi interrompida na última reunião em virtude do cenário de inflação crescente. Com a expectativa de queda da inflação para setembro - analistas esperam o IPC em torno de 0,5% - o mercado financeiro volta a acreditar em nova redução da taxa básica de juros - Selic. A próxima reunião do Copom está marcada para os dias 19 e 20 de setembro. Mas os analistas não acreditam que a Selic terá novo corte logo nessa data. Espera-se que a taxa fique em 16% ao ano no final de 2000.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.