Mercado já fala em recessão técnica no segundo trimestre

Segundo especialista, PIB do 1º trimestre pode ser revisado para baixo na próxima divulgação do IBGE, o que indicaria uma recessão da economia

Igor Gadelha, Francisco Carlos de Assis, Agência Estado

15 de agosto de 2014 | 09h41

SÃO PAULO - Com a queda de 1,48% do Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) em junho ante maio, o Banco Mizuho do Brasil revisou para baixo a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) do 2º trimestre de -0,4% para -0,5%, informou o estrategista-chefe da instituição, Luciano Rostagno. Na avaliação dele, o resultado negativo do IBC-Br em junho e as revisões para baixo do indicador em março, abril e maio indicam que a economia brasileira pode estar em uma recessão técnica.

O analista explica que a queda "bastante pronunciada" do IBC-Br revela que a economia contraiu fortemente no segundo trimestre deste ano, o que indica que o PIB nesse período, previsto para ser anunciado no fim de agosto, deverá ser negativo. Aliado a isso, acrescenta, as revisões para baixo do indicador dos meses anteriores mostram que o PIB do primeiro trimestre, que cresceu 0,2%, poderá ser revisado para baixo. "Com dois PIBs negativos consecutivos, indicaria recessão técnica da economia", diz.

O economista avalia que o resultado negativo em junho é consequência, em parte, do efeito Copa do Mundo, vide dados do varejo e da produção industrial negativos nesse período. Ele pondera, contudo, que não dá para colocar toda a responsabilidade da forte queda no Mundial sediado no País. "A economia não contraiu só em junho, vimos o IBC-Br apontando contração forte do PIB em maio, vindo após uma estagnação em abril", afirmou. 

Pessimismo. A queda do IBC-Br reforça a percepção de que a atividade econômica brasileira fechará o segundo trimestre deste ano com desaceleração. A avaliação é da equipe econômica do Bradesco e consta de nota enviada a clientes do banco há instantes. "Esse resultado veio em linha com o esperado pelo mercado e sucede o recuo de 0,80% entre abril e maio (revisado ante a divulgação anterior de -0,18%)", escreveram na nota os economistas.

Na comparação com junho de 2013, o índice apresentou retração de 2,15%, acumulando alta de 1,5% nos últimos 12 meses. No segundo trimestre, segundo o indicador, houve queda de 1,2% na margem, desacelerando ante a estabilidade registrada entre janeiro e março. "Essa variação reforça a percepção de desaceleração da atividade econômica no trimestre passado, assim como sugerido por outros indicadores coincidentes", disseram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.