Mercado já projeta inflação pelo IPCA acima de 5%

Projeção para o índice passa de 4,96% para 5,12%; em 2009, indicador deve atingir o centro da meta, de 4,50%

AE, Agencia Estado

19 de maio de 2008 | 09h00

A projeção para a inflação de 2008 pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deu um salto e superou a casa de 5%, acima do centro da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). No relatório semanal Focus divulgado nesta segunda-feira, 19, pelo Banco Central, a previsão para o IPCA, que é o índice oficial de inflação no País, passou de 4,96% para 5,12%. O centro da meta de inflação é de 4,50%.   Veja também:   Entenda a crise dos alimentos  Entenda os principais índices de inflação   Lula convoca a população para evitar o retorno da inflação Para 2009, a projeção do IPCA também subiu menos, de 4,47% para 4,50%, mas agora está exatamente no centro da meta de inflação, que também é de 4,50% para o ano que vem. A meta de inflação, tanto em 2008 quanto 2009, tem margem de tolerância de dois pontos porcentuais, para cima ou para baixo.As projeções pelo Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) e Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) para 2008, índices calculados pela Fundação Getúlio Vargas e que refletem bastante a inflação no atacado, dispararam. O IGP-DI subiu de 7,19% para 7,89%, enquanto o IGP-M passou de 7,67% para 8,35%. Já o IPC da Fipe passou de 4,32% para 4,50%, contra 4,08% de um mês atrás.   A tendência de alta, que se restringia apenas aos dados de 2008, parece começar a influenciar as projeções para 2009. Para o IGP-M, a mediana passou de 4,50% para 4,52% após quatro semanas seguidas de estabilidade. Para o IPC da Fipe, o número passou de 4% para 4,10% depois de 30 semanas sem alteração. O único indicador que manteve-se foi o IGP-DI, que ficou em 4,50% pela quarta semana.A pesquisa Focus reúne as projeções de cerca de 100 instituições financeiras para os principais indicadores econômicos. Câmbio e juros   A previsão para a taxa de câmbio, no final deste ano, caiu de R$ 1,72 para R$ 1,70 por dólar. Para o final de 2009, a projeção de câmbio passou de R$ 1,80 para R$ 1,78.Para a taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, o mercado financeiro manteve a projeção de 13,25% ao ano, em dezembro de 2008. Para o fim do ano que vem, o mercado projeta a Selic em 12% ao ano, ante 11,75% da projeção da semana passada.A taxa Selic está atualmente em 11,75% ao ano, o que mostra que o mercado aposta em uma forte elevação ainda este ano.   PIB Nos números referentes ao crescimento da economia brasileira, o mercado financeiro elevou a projeção de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2008 de 4,66% para 4,69%. Para o ano que vem, a previsão de crescimento do PIB é de 4%, estável em relação à semana passada.   Em relação à produção industrial, o mercado ajustou para cima a previsão de expansão este ano, de 5,27% para 5,35% este ano. A previsão para a produção industrial em 2009 é de aumento de 4,5%. Contas externas Quanto à balança comercial brasileira, a previsão dos economistas é de um superávit de US$ 24,2 bilhões em 2008, ante US$ 25 bilhões da projeção da semana passada. A previsão do superávit comercial de 2009 também encolheu, de US$ 16 bilhões para US$ 15 bilhões.Para a conta corrente (saldo de todas as transações do País com o exterior), a pesquisa de mercado Focus mostrou projeção de déficit este ano de US$ 20 bilhões (estava em US$ 19,8 bilhões na semana passada). A previsão para o saldo da conta corrente em 2009 é de um déficit ainda maior, de US$ 28,55 bilhões, ante previsão de US$ 25,85 bilhões da semana passada.A previsão para o ingresso de investimento estrangeiro direto (IED) em 2008 passou de US$ 31 bilhões para US$ 32 bilhões. Para 2009, a projeção do ingresso de recursos externos no País, de investimento direto (produtivo), ficou em US$ 30 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
IPCAInflaçãoFocus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.