Mercado já vê inflação de 2008 acima da meta

O mercado financeiro reforçou o cenário que deve ser usado como argumento pelo Banco Central (BC) para elevar o juro nesta semana. No relatório Focus divulgado ontem, a projeção dos analistas para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 4,50% para 4,66% em 2008, acima do centro da meta de inflação, de 4,50%. Para o mercado, o juro vai subir 1,50 ponto porcentual nos próximos meses, começando com 0,25 ponto quarta-feira.Os analistas ouvidos no levantamento pioraram todas as projeções de inflação que são acompanhadas pelo BC. Na visão do mercado, os preços têm subido em praticamente todos os segmentos, o que se reflete em vários indicadores. No Índice Geral de Preços ao Mercado (IGP-M), que reajusta os contratos de aluguel, por exemplo, a expectativa de alta passou de 5,81% para 6,02%.O economista-chefe do Banco Schahin, Silvio Campos Neto, avalia que, por enquanto, alimentos produzem a pressão mais evidente. Também é possível, diz ele, observar alguma elevação em tarifas públicas e serviços. Campos Neto alerta, porém, para a chance de reajuste dos combustíveis no médio prazo. A gasolina e o gás de cozinha são controlados pelo governo, que não alterou os preços a despeito da disparada do petróleo no exterior. Para ele, a alta poderia vir após as eleições de outubro.O tom negativo também teve reflexo no cenário para 2009, quando o IPCA deve ficar em 4,40%, contra aposta anterior de 4,30%. "Isso mostra que o mercado realmente pode ter se contaminado pelo discurso do BC", diz o economista do Schahin.Com a inflação acima do centro da meta, as projeções para o nível do juro subiram pela terceira semana seguida. Agora, o mercado acredita que a taxa deve terminar o ano em 12,75%, contra aposta anterior de 12,50%. Atualmente, a Selic está em 11,25% ao ano. Para o fim de 2009, há expectativa de que o BC retorne a taxa para o nível atual, de 11,25%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.