Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercado já vê novo corte de juro nos EUA

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) reduziu as projeções para a inflação e para o crescimento da economia em 2008. Na avaliação do BC americano, o Produto Interno Bruto (PIB) vai se expandir entre 1,8% e 2,5% no ano que vem. A expectativa anterior era de uma alta de 2,5% a 2,75%. Para o núcleo do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medida que exclui os itens energia e alimentação, a previsão é de alta anual entre 1,7% e 1,9% - antes, 1,75% a 2%.A reação do mercado financeiro aos dados ontem foi moderada. As bolsas de valores americanas, que subiam antes de a ata ser divulgada, inverteram a mão. Depois, voltaram ao terreno positivo e fecharam no azul. O euro renovou a cotação recorde ante o dólar e encerrou o dia acima de US$ 1,48.De outro lado, a confiança dos investidores em um corte nos juros na reunião de dezembro cresceu. Antes do anúncio da ata, a chance de uma redução era de 70%. Depois, passou para 92%. O Fed diminuiu o juro em suas últimas duas reuniões. Hoje, a taxa está em 4,5% ao ano. Na avaliação de analistas, os dirigentes do Fed prevêem um cenário de "pouso suave" para a economia dos EUA. Até 2010, o crescimento será moderado e a inflação, estável. Eles admitem, porém, que há muitas incertezas sobre as previsões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

21 de novembro de 2007 | 08h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.