Mercado Livre/Divulgação
Mercado Livre/Divulgação

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Mercado Livre quer ser um Alibaba

Empresa se tornou a mais popular no campo da tecnologia, com seu valor de mercado dobrando durante a pandemia

The Economist, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2020 | 05h00

Desde que este colunista se transferiu para a América Latina, na década de 1980, tem observado muitas áreas de comércio da região mudarem para melhor. Salvo duas. A primeira é a profusão de pequenas empresas, dos estabelecimentos familiares da esquina e sorveterias às lojas de ferramentas que no geral são tão desorganizadas como sempre foram, batalhando por uma existência precária e continuando a vender apenas mediante o pagamento em dinheiro (mesmo que os caixas ainda tenham problemas para calcular o quanto você deve pagar). A segunda é a utilização dos bancos onde, às vezes parece, as únicas pessoas que conseguem o que necessitam são aquelas com uma meia cobrindo a cabeça e uma pequena metralhadora nas mãos.

Esses dois aspectos se reforçam mutuamente. As pequenas empresas não conseguem se modernizar porque lutam para ter acesso a crédito. Os bancos não se sentem culpados por não darem a mínima para empresas presas no passado. A falta de dinamismo que resulta disso no campo das empresas de pequeno e médio porte, que respondem por mais de 99% dos empreendimentos na América Latina, é um freio da atividade econômica. Com a covid-19 ainda devastando a região, a vulnerabilidade aumentou. Lockdowns totais ou parciais, como também o medo do contágio, e uma profunda recessão, colocaram muitas das pequenas empresas numa situação de risco mortal.

Nem todas, porém. É o caso do Mercado Livre. O valor de mercado da empresa de livre-comércio latino-americana dobrou para US$ 50 bilhões durante a pandemia, oferecendo vendas online e linhas de crédito para aquelas empresas vulneráveis. Desde que foi fundado em 1999, o Mercado Livre se tornou a mais popular empresa no campo da tecnologia, embora em 2020 sua projeção de receita seja de apenas US$ 3,2 bilhões e perderá dinheiro pelo terceiro ano consecutivo. O lucro, contudo, é para o futuro. Por outro lado, ela faz parte de uma onda de mudanças na área digital que devem impulsionar as empresas menores, que são 80% das que usam suas plataformas, para a era moderna.

O Mercado Libre tem sido comparado ao eBay, mercado online americano que foi seu primeiro investidor. A empresa de tecnologia hoje vale mais do que sua antiga mentora. Ela tem algumas características da Amazon, com a qual compete, especialmente no México. Por exemplo, como a Amazon em seus primeiros dias, ela se preparou para não ter lucro no curto prazo e em troca crescer rapidamente. Está também desenvolvendo uma rede de logística. Mas ao contrário da gigante americana, ela raramente negocia em seu próprio nome, suas operações de e-commerce rendem uma comissão sobre as transações feitas entre vendedores e compradores em sua plataforma. Nesse aspecto se assemelha à Alibaba, proprietária de grandes lojas online na China. Seu braço fintech, Mercado Pago, tem como modelo o Allpay, sistema de pagamentos do Alibaba. Planos anunciados em 20 de julho pelo Ant Group, dono do Allpay, de uma emissão de ações elevando seu valor de mercado para US$ 200 bilhões, animaram os investidores do Mercado Livre quanto a perspectiva de um equivalente latino-americano.

O que atrai esses investidores é a promessa de uma revolução digital na América Latina. Isso vem demorando para acontecer. No ano passado, menos de 5% das vendas no varejo na região foram realizadas online, comparado com os 12% nos EUA e 20% na China. Metade dos latino-americanos não tem conta bancária. O temor de fraudes com cartão de crédito tem freado o e-commerce, do mesmo modo que os pesadelos logísticos no Brasil, onde o Mercado Livre gera mais da metade das suas receitas. Mas numa combinação de tempo e oportunidade, a empresa investiu em logística e ao mesmo tempo a penetração do comércio eletrônico aumentou para dois dígitos em meio à pandemia. Pedro Amt, diretor de finanças, diz que a mudança para a atividade online na América Latina “avançou” três a cinco anos nos últimos meses. Isso tem se verificado em todos os lugares. Mas se os que compraram pela primeira vez online se habituarem, o Mercado Livre tem muito a ganhar. 

O potencial de pagamentos é ainda maior, embora as operações tenham sofrido sobressaltos na pandemia. Antes, o Mercado Livre estava muito empenhado em trazer comerciantes offline para sua órbita, encorajando-os a aceitar pagamentos via celular ou códigos QR nas lojas físicas. Com o fechamento de restaurantes e lojas essa iniciativa perdeu impulso. Mas a adoção do código QR como medida de distanciamento social deve aumentar quando os negócios reabrirem. Para Marvin Fong, da corretora BTG, medidas adotadas por bancos centrais latino-americanas para promover os pagamentos por meio do código QR devem galvanizar as plataformas de fintech na América Latina, como o Mercado Pago.

O delta da Amazon. Amt admite que seria loucura saborear essas oportunidades “únicas que só acontecem numa geração” e ignorar as ameaças competitivas. A maior concorrente é a Amazon, contra a qual sua empresa tem mantido uma batalha custosa no México. Até agora a gigante americana tem prestado mais atenção às oportunidades de e-commerce na Índia do que nas Américas Central e do Sul, mas isso pode mudar. A segunda ameaça é que a covid-19 convença grandes lojas físicas da urgência de criarem suas redes online. Ele diz que este é um cenário tipo “o império ataca novamente”. A terceira ameaça está nos pagamentos, seja na forma de competição das fintechs regionais ou do WhatsApp.

Os executivos do Mercado Livre respiraram de alívio no ano passado quando receberam um investimento de US$ 750 milhões do PayPal, um rival potencial, ajudando-os a expandir os pagamentos digitais da companhia. Mas a empresa também tem algumas vantagens intrínsecas. Seu sucesso no e-commerce conferiu a ela o reconhecimento de marca necessário para apoiar as operações de pagamentos em toda a região. Seus clientes, empresas de pequeno e médio porte, dependem dela para as transações online, pagamentos e, cada vez mais, obtenção de crédito. E seu legado latino-americano ajuda-a a entender não só as semelhanças, mas também as diferenças, entre os países. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

© 2020 THE ECONOMIST NEWSPAPER LIMITED. DIREITOS RESERVADOS. PUBLICADO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ESTÁ EM WWW.ECONOMIST.COM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.