Divulgação
Divulgação

Mercado Livre vai contratar 2,5 mil profissionais negros até o fim do ano

Do total de 7,2 mil novas vagas previstas pela empresa para 2021, 35% serão destinadas a ações afirmativas e de inclusão

Wesley Gonsalves, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2021 | 20h56

O Mercado Livre vai contratar 2,5 mil profissionais negros em 2021. O anúncio da ação de reserva de vagas foi feito nesta quinta-feira, 15, durante o evento Presença Negra, realizado pela companhia para discutir “a potência negra dentro do mercado de trabalho”. 

A iniciativa faz parte da estratégia da empresa argentina de dobrar sua operação no Brasil. Ao todo, a companhia vai abrir 7,2 mil novos postos de trabalho no País, dos quais 35% são destinados a ações afirmativas. 

As vagas serão abertas principalmente nas áreas de logística, serviços financeiros e tecnologia, segundo a empresa, que ainda não divulgou o cronograma de contratação de novos trabalhadores. 

Participação desigual

Dados do Mercado Livre mostram que, dos 15 mil profissionais que a empresa mantém no Brasil atualmente, 38% se autodeclaram como pretos ou pardos, mas apenas 16% dos cargos do nível de gerência, ou acima estão ocupados por esses funcionários.

A iniciativa da empresa vem após o Magazine Luíza ter decidido realizar um programa de trainees exclusivo para candidatos negros. A decisão causou polêmica entre críticos de ações afirmativas, mas foi elogiada por parcela da sociedade. Assim como no Mercado Livre, apenas 16% dos cargos de liderança da rede são ocupados por pessoas que se autodeclaram pretas ou pardas.

Para a supervisora de aquisição de talentos do Mercado Livre, Ayodele Camargo, a reserva de vagas feita pela empresa é uma “contrapartida social” à população negra. “A intenção de trazer essas 2,5 mil pessoas é oferecer a essa parcela da população as mesmas chances. É estender a mão e dizer: poder vir, eu confio no seu potencial”, disse durante o evento.

Tudo o que sabemos sobre:
Mercado LivreMagazine Luiza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.