Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Mercado mantém otimismo e eleva projeção para o PIB de 2017

Relatório Focus divulgado nesta segunda-feira, 18, subiu de 0,91% para 0,96% a projeção para a elevação do PIB do País em 2017; para 2018, as projeções subiram de 2,62% para 2,64%

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2017 | 09h20

BRASÍLIA - Após a divulgação pelo Ministério da Fazenda de estimativas mais otimistas para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano e no próximo, os analistas de mercado foram mais conservadores ao revisarem suas projeções de crescimento da economia. A expectativa de alta para o PIB deste ano passou de 0,91% para 0,96% no Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta seguda-feira, 18. Há um mês, a perspectiva estava em 0,73%. Para 2018, o mercado aumentou a previsão de alta do PIB de 2,62% para 2,64%. Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,51%.

Na última quinta-feira, a Fazenda anunciou a revisão da sua grade de parâmetros macroeconômicos, com destaque para a projeção de alta do PIB. Para 2017, a estimativa da pasta passou e 0,5% para 1,1%. Para 2018, a previsão passou de 2,0% para 3,0%.

No Focus de hoje, a projeção para a produção industrial deste ano passou de avanço de 2,00% para uma alta de 2,03%. Há um mês, também estava em 2,00%. No caso de 2018, a estimativa de crescimento da produção industrial passou de 2,90% para 3,00%, ante 2,96% de quatro semanas antes.

Já a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2017 foi de 52,15% para 52,20%. Há um mês, estava em 52,30%. Para 2018, a expectativa no boletim Focus foi de 55,70% para 55,65%, ante 55,71% de um mês atrás.

Inflação.  Os economistas do mercado financeiro reduziram novamente suas projeções para o IPCA - o índice oficial de preços - para este ano. O Relatório de Mercado Focus desta segunda-feira, 18, mostra que a mediana para o IPCA em 2017 foi de 2,88% para 2,83%. Há um mês, estava em 3,09%. Já a projeção para o índice de 2018 passou de 4,02% para 4,00%, ante 4,03% de quatro semanas atrás.

Na prática, as projeções de mercado indicam que a expectativa é de que a inflação fique abaixo do piso da meta, de 3,0%, em 2017. O centro da meta para este ano e o próximo é de 4,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (inflação de 3,0% a 6,0%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.