Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Mercado monitora o risco de Selic acima de 14% como na crise de 2015

Perspectiva era considerada impensável até antes da disparada de commodities deflagrada pela invasão da Ucrânia pela Rússia

Cícero Cotrim e Guilherme Bianchini, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2022 | 05h00

A marcha das expectativas de inflação para níveis cada vez mais distantes das metas perseguidas pelo Banco Central (BC) acendeu um alerta para o risco de a taxa Selic renovar o seu último pico nominal, de 14,25% ao ano, ainda este ano. Essa perspectiva, considerada impensável até antes da disparada de commodities (matérias-primas em dólar) deflagrada pela invasão da Ucrânia pela Rússia, já é um risco acompanhado pelo mercado.

Economistas ouvidos pelo Estadão/Broadcast são unânimes ao dizer que um novo pico de juros exigiria piora adicional do quadro de inflação. Para acomodar um novo choque, a política monetária poderia ter de avançar novamente em direção ao último pico, considerando que a mediana do mercado para o fim do ciclo já se encontra em 13,25%, a apenas 1 ponto porcentual da marca.

 

Nas contas do ex-diretor de Assuntos Internacionais do BC Alexandre Schwartsman, seria necessária uma Selic terminal entre 13,5% e 14,0% – praticamente encostada no último pico – para levar a inflação ao centro da meta no ano que vem. O economista ressalva que há dúvidas sobre se a autarquia estaria disposta a sancionar juros neste nível, considerando a sinalização do último comunicado de que 12,75% seria um nível suficiente para promover a convergência.

“Fica minha dúvida sobre se o BC vai estar disposto a dar mais juros do que isso. Se não der, não vamos convergir no ano que vem”, resume Schwartsman. Com juros de 12,75%, o economista estima que o IPCA de 2023 deveria ficar em torno de 3,70%, em linha com o mais recente relatório Focus, mesmo que o Comitê de Política Monetária (Copom) tenha estimado, neste cenário, uma inflação de 3,10% em 2023, se houver desaceleração do petróleo.

Na mesma linha, o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, calcula que a taxa Selic precisaria ficar acima de 13,5% no fim do ciclo para promover a convergência da inflação para o centro da meta no ano que vem e ancorar as expectativas em horizontes mais longos. Mas o analista observa que o BC parece estar disposto a promover um ciclo de aperto mais suave e tolerar um IPCA pouco acima do alvo no ano que vem.

Contra uma disparada da Selic acima de 14,0%, pesa o nível já elevado dos juros reais, acima do observado quando a taxa atingiu o último pico. Para o economista-chefe do Banco Alfa, Luis Otávio de Souza Leal, essa dinâmica torna improvável uma volta dos juros aos níveis de 2015 e 2016.

Para João Savignon, economista da Kínitro, uma retomada do último pico histórico é um risco cada vez mais improvável dado o avanço do horizonte relevante da política monetária, que já deve começar a mirar também o ano de 2024 a partir do segundo semestre. Como o BC só tem mais duas reuniões até junho, elevar a Selic de 11,75% para um nível acima de 14,0% exigiria acelerar o ritmo de aperto monetário.

“Teria de ter algo a mais, uma nova rodada de pressão, ou a escalada de preços de commodities se mantendo por mais tempo”, avalia. “Eu tenderia a acreditar que, se em março, no olho do furacão, o BC optou por desacelerar o ciclo para 1,0 ponto, é muito difícil voltar a acelerar.”  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.