Mercado nervoso: dólar dispara e Bovespa cai

O dia foi bastante nervoso no mercado financeiro, com forte queda na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e altas no dólar e nos juros. Houve muitas oscilações em função da boataria. As especulações concentram-se nos impactos da crise energética e na prolongada indefinição da situação econômica argentina.Em entrevista ao editor Josué Leonel, o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega criticou a reação dos mercados aos problemas energéticos que o país atravessa. Ele não nega que haverá conseqüências para o crescimento econômico e para empresas e setores específicos, mas considera o nervosismo exagerado, sendo fomentado por opositores das privatizações e lobistas das empresas de eletricidade que esperam conseguir aumentos nas tarifas. Para Maílson, empresas e governo não ficarão acomodadas, reagirão ao racionamento, minimizando seus efeitos. De qualquer modo, ainda seria muito cedo para definir qualquer previsão.Mesmo assim, a reação dos mercados tem sido muito negativa, com preocupações especialmente em relação à inflação e ao câmbio. A falta de produtos, causada pela redução da atividade econômica, pressionaria os preços. Quanto ao câmbio, o temor é que a falta de um item básico da infra-estrutura - eletricidade - provoque queda no investimento direto estrangeiro, que cobre o rombo das transações do Brasil com o exterior.A indefinição da situação econômica argentina também preocupa. As medidas anunciadas até agora são consideradas de difícil implementação, e as metas estabelecidas, de difícil cumprimento. Além disso, ainda há muitos pontos indefinidos, principalmente a renegociação da dívida de curto prazo do país. O tempo está correndo, e como o governo terá de recorrer ao mercado para cobrir seu déficit no terceiro trimestre, a tensão e o medo da moratória vão aumentando.Fechamento dos mercadosO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,2860, com alta de 1,24%. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 3,33%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 22,400% ao ano, frente a 21,710% ao ano ontem. O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em queda de 2,70%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,82%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em queda de 1,01%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.