Mercado oscila atento a discurso de Lula

O mercado reagiu com tranqüilidade à confirmação da vitória de Lula, mas as cotações não seguiram a trajetória de recuperação da semana passada. Na verdade, o clima dos investidores é de expectativa quanto ao anúncio da equipe de transição do governo petista eleito, que está previsto para amanhã. O mercado também passou a manhã na expectativa para o pronunciamento do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, que estava marcado para as 12 horas, mas só começou perto das 14h. Apesar de não esperarem maiores novidades nesse pronunciamento, os investidores ficaram atentos a cada palavra do presidente eleito. Eles acrescentam que os investidores estão ansiosos por qualquer novidade sobre o novo governo. A expectativa maior era sobre a reiteração dos compromissos de campanha, entre eles o controle da inflação, o superávit primário e o respeito aos contratos internacionais.Quanto ao anúncio da equipe de transição, é consenso de que Lula tentará agradar aos agentes econômicos, incluindo o mercado financeiro. Mas, segundo especialistas, essa expectativa positiva não está totalmente embutida nos preços e, se confirmada, pode gerar novos recuos na cotação do dólar.Para o estrategista-sênior de renda fixa para América Latina do banco Morgan Stanley Dean Witter, Jaime Valdívia, o mercado já opera considerando uma equipe de transição amigável e, agora, só reagirá a uma definição da equipe definitiva de governo. Os mais cautelosos acrescentam, inclusive, que se a equipe de transição não contiver nomes tão consensuais quanto o esperado, o mercado pode reagir mal. Nesse caso, o mau humor do mercado com os indicados para a transição seria um combustível para nervosismo em torno do vencimento de dívida cambial da próxima sexta-feira, de cerca de US$ 2 bilhões. Depois do anúncio da equipe de transição, esse deve ser o assunto mais importante dos próximos dias.E os especialistas dizem que as primeiras impressões sobre o governo Lula serão espelhadas nesse vencimento. Se a equipe de transição e os pronunciamentos de Lula e seus assessores agradarem, a rolagem dessa parcela da dívida pública tende a ser mais tranqüila do que as últimas. Caso contrário, a tensão deve ser repetir, causando novas altas no dólar à vista.MercadosÀs 15h, o dólar comercial era vendido a R$ 3,7500, em alta de 0,54% em relação às últimas operações de sexta-feira, oscilando entre R$ 3,7000 e R$ 3,7400. Com esse resultado, o dólar acumula uma alta de 61,92% no ano e queda de 3,23% nos últimos 30 dias. Veja aqui a cotação do dólar dos últimos negócios.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagavam taxas de 23,130% ao ano, frente a 22,980% ao ano sexta-feira. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 26,700% ao ano, estáveis em relação a sexta-feira.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em queda de 1,57% em 9857 pontos e volume de negócios de R$ 287 milhões. Com esse resultado, a Bolsa acumula uma baixa de 27,40% em 2002 e alta de 13,10% nos últimos 30 dias. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, oito apresentam alta. O principal destaque são os papéis da Net PN (preferenciais, sem direito a voto), com desvalorização de 11,11%. Mercados internacionais Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - operava em queda de 0,12% (a 8433,7 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - cai 0,13% (a 1329,43 pontos). O euro era negociado a US$ 0,9841; uma alta de 0,84%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, estava em alta de 0,10% (444,56 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.