Mercado: perspectiva de CPI aumenta temores

À tarde, os mercados reagiram negativamente aos desdobramentos da crise política em Brasília. A oposição provou o que vinha declarando e conseguiu levantar o número de assinaturas no Senado para a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar denúncias de corrupção no Executivo federal. O apoio dos Senadores Osmar e Álvaro Dias (PSDB-PR), que são irmãos, enterrou as esperanças dos investidores de que o governo conseguisse abafar a CPI. E o presidente da Câmara dos Deputados, Aécio Neves (PSDB-MG), admitiu a sua instauração. Conforme apurou a repórter Cida Fontes, o presidente Fernando Henrique Cardoso cobrou hoje dos líderes do PMDB e do PSDB no Senado, respectivamente, Renan Calheiros (AL) e Sérgio Machado (CE), uma ação em favor da retomada dos trabalhos no Congresso e lhes pediu que façam o possível para evitar a paralisação das atividades, em função da crise instalada com o escândalo do painel eletrônico e, agora, com a iminência de instalação da CPI da Corrupção. Mas será difícil evitar tanto a parada nas atividades legislativas como as incertezas quanto à evolução dos fatos durante o processo de investigação.O clima já era de expectativa, dado o anúncio no sábado dos sete bancos envolvidos na renegociação da dívida de curto prazo da Argentina. Mas, se eliminou os medos de que a operação não saísse, o governo não forneceu os detalhes esperados, como o montante e a taxa do financiamento. Com isso, o volume de negócios mantinha-se muito baixo, e os investidores continuam apreensivos com a delicada situação do país vizinho. Amanhã ocorrerá um leilão de títulos argentinos em Buenos Aires, paralelamente ao primeiro leilão de títulos no Brasil desde março. Serão testes importantes do sentimento dos mercados.Confira os números dos fechamentosÀ tarde, as cotações passaram a refletir uma preocupação maior dos mercados com a crise política. O dólar comercial para venda fechou em R$ 2,2150, com alta de 0,14%. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 1,44%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 21,250% ao ano, frente a 20,790% ao ano ontem. O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em alta de 0,41%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,15%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em queda de 0,82%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.