Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Mercado prevê alta de dólar e juros

Segundo analistas, apesar de alguns investidores já terem tirado dinheiro do País, haverá uma nova fuga de capital pressionando o mercado

O Estado de S. Paulo

09 Setembro 2015 | 21h33

Na avaliação de profissionais do mercado financeiro ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o rebaixamento da nota de risco do Brasil trará forte viés de alta para o dólar e para os juros nesta quinta-feira, 9, enquanto a Bovespa tende a cair em um primeiro momento.

Ricardo Lacerda, fundador da banco de investimentos BR Partners, disse que a perda do grau de investimento do Brasil “é sem dúvida o maior retrocesso da economia brasileira dos últimos 20 anos”. Segundo ele, muito do capital que costuma fugir nesses momentos de crise já saiu do País. “Mas creio que veremos pressão no câmbio e no juros. No médio e longo prazo, as consequências serão ainda piores. Como o próprio ministro da Fazenda (Joaquim Levy) antecipou, esse movimento vai gerar desemprego por muitos anos. Com isso, teremos um aprofundamento da recessão e uma dificuldade da retomada de crescimento. Basta analisar a importância do fluxo de capitais estrangeiros no último ciclo de crescimento, entre 2007 e 2013.”

Onda vendedora. Para Edwin Gutierrez, gestor para o Brasil da Aberdeen Asset Managers, em Londres, os mercados brasileiros reagirão com uma onda vendedora. Ele acredita que o rebaixamento veio antes do esperado pelos investidores. Entretanto, a possibilidade de acontecer já vinha crescendo nos últimos dias. “Depois da entrega do Orçamento na semana passada, passamos a achar que os riscos de a perda do grau de investimento ocorrer este ano havia definitivamente aumentado.” 

Na avaliação do estrategista, a permanência no cargo do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, mesmo após a perda do grau de investimento, faz diferença para os investidores. “Se ele sair, a onda vendedora (de ativos) será ainda mais dramática.”

Queda de 20%. No início da noite de quarta, os fundos de índices (ETFs, na sigla em inglês) ligados ao Brasil despencaram no ‘after market’ (operações após o fechamento do mercado) em Wall Street, refletindo o rebaixamento do rating brasileiro pela Standard & Poor's (S&P).

Entre as carteiras listadas na plataforma Arca, da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), o Direxion Daily Brazil Bull 3X, da Direxion Investiments, despencava 20,1% por volta das 20h10 (horário de Brasília). Outro fundo de índice, o iShares MSCI Brazil Index, mais conhecido pela sigla que é negociado no mercado, EWZ, recuava 7%.

Para um operador de um banco de investimento em Nova York que investe em papéis brasileiros, a perda da classificação grau de investimento era esperada, sobretudo após a redução das metas fiscais e a proposta de orçamento para o ano que vem com déficit, mas o momento da decisão da S&P acabou surpreendendo. A expectativa, disse ele, é que o corte da nota fosse vir mais no começo do ano que vem.

Aversão ao risco. Profissionais consultados após a decisão da S&P foram unânimes em afirmar que, apesar de precificado em parte, o efeito inicial da nota vai ser de forte aversão ao risco. Pode pesar negativamente nos ajustes de preços justamente a manutenção do outlook negativo pela agência.

Na Bovespa, as avaliações são de que, apesar da tendência de baixa amanhã, o principal índice à vista pode até exibir recuperação durante o dia. “Os investidores mais leigos entram vendendo e depois há uma correção natural. Achei a notícia ótima para a Bovespa. É um sinal de fundo para os preços”, comentou Alexandre Wolwacz, diretor da escola de investimentos Leandro & Stormer.

Um gestor de investimentos disse que o efeito na Bovespa deve acontecer principalmente em cima de empresas mais endividadas, como a CSN e a Petrobrás. “Os bancos, que teoricamente cairiam mais, já tiveram fortes perdas recentes”, disse. / DANIELA MILANESE, ALTAMIRO SILVA JUNIOR, CLAUDIA VIOLANTE, FABRÍCIO DE CASTRO, MÔNICA SCARAMUZZO 

Mais conteúdo sobre:
grau de investimento dólar juros

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.