finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mercado prevê inflação mais alta para o final do ano

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deverá fechar o ano mais salgada. As projeções do mercado financeiro para o IPCA de 2007 subiram de 3,77% para 3,86% em pesquisa semanal Focus divulgada hoje pelo Banco Central (BC). Essa foi a segunda alta consecutiva dessas previsões, que estavam em 3,72% há quatro semanas. Nas cinco instituições que mais acertam suas apostas (Top 5), as estimativas de IPCA para este ano avançaram de 3,75% para 3,87% no cenário de médio prazo. Essa foi a terceira elevação seguida dessas projeções, que estavam em 3,64% há quatro semanas. Apesar das elevações, as projeções de IPCA nos dois casos continuam abaixo da meta central, de 4,5% ao ano, fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para agosto, as apostas de IPCA passaram de 0,25% para 0,34% e de 0,24% para 0,25% em setembro. Para 2008, as previsões para o indicador usado pelo governo para balizar a meta de inflação continuaram estáveis em 4% pela oitava semana consecutiva. As estimativas de aumento de preços administrados para este ano caíram de 2,60% para 2,50%, pela quarta vez seguida. Para 2008, as previsões de aumento dos administrados recuaram de 3,65% para 3,50%.SelicA taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, deverá atingir 11,25% ao ano na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), segundo previsão feita pelo mercado financeiro. O porcentual embute uma expectativa de que os juros sofrerão redução de 0,25 ponto porcentual. Para o fim do ano, as apostas também não mudaram e prosseguiram em 10,75%.A pesquisa semanal Focus consulta 100 instituições financeiras.

GUSTAVO FREIRE, Agencia Estado

27 de agosto de 2007 | 09h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.