Dida Sampaio / Estadão
Dida Sampaio / Estadão

Mercado projeta pela 1ª vez no governo Bolsonaro PIB inferior a 2% em 2019

De acordo com o relatório Focus, do Banco Central, projeção para este ano é de crescimento de 1,98%, com inflação de 3,9%

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2019 | 10h09

BRASÍLIA - Pela primeira vez desde que Jair Bolsonaro assumiu a presidência da República, a projeção mediana do mercado financeiro para o Produto Interno Bruto (PIB) apontou para um crescimento inferior a 2% em 2019. Conforme o Relatório de Mercado Focus - uma pesquisa semanal feita com analistas de instituições financeiras -, divulgado nesta segunda-feira, 1.º, pelo Banco Central, a projeção mediana passou a ser de alta de 1,98% do PIB este ano.

O Sistema de Expectativas de Mercado do Focus indicou, porém, que algumas instituições financeiras projetam um desempenho ainda pior para a economia. Pelo menos uma delas projeta alta de apenas 1,1% para o PIB em 2019 - porcentual igual ao verificado em 2017 e 2018.

Na prática, caso esta expectativa mais pessimista se confirme, o País terá crescido pouco mais de 1% por três anos consecutivos, sem efetiva aceleração da atividade econômica.

Em um ambiente de inflação baixa e atividade ainda fraca, os economistas do mercado financeiro também esperam pela manutenção da Selic (a taxa básica de juros) no atual patamar, de 6,5% ao ano, pelo menos até maio de 2020, quando a taxa subiria para 6,75% ao ano. 

Conforme o Sistema de Expectativas de Mercado, a projeção também é a de que a Selic suba para 7% em junho do próximo ano.

Em relação à inflação, a projeção mediana para o IPCA (o índice oficial de inflação) para este ano, atualizada com base nos últimos cinco dias úteis, passou de 3,86% para 3,90%. Para 2020, a projeção do IPCA permaneceu em 4%.

As projeções mais recentes do Banco Central, considerando o cenário de mercado, apontam para inflação de 3,9% em 2019, 3,8% em 2020 e 3,9% em 2021. Elas constaram no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de março, divulgado pelo BC na semana passada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.