Dida Sampaio / Estadão
Dida Sampaio / Estadão

Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Mercado projeta pela 1ª vez no governo Bolsonaro PIB inferior a 2% em 2019

De acordo com o relatório Focus, do Banco Central, projeção para este ano é de crescimento de 1,98%, com inflação de 3,9%

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2019 | 10h09

BRASÍLIA - Pela primeira vez desde que Jair Bolsonaro assumiu a presidência da República, a projeção mediana do mercado financeiro para o Produto Interno Bruto (PIB) apontou para um crescimento inferior a 2% em 2019. Conforme o Relatório de Mercado Focus - uma pesquisa semanal feita com analistas de instituições financeiras -, divulgado nesta segunda-feira, 1.º, pelo Banco Central, a projeção mediana passou a ser de alta de 1,98% do PIB este ano.

O Sistema de Expectativas de Mercado do Focus indicou, porém, que algumas instituições financeiras projetam um desempenho ainda pior para a economia. Pelo menos uma delas projeta alta de apenas 1,1% para o PIB em 2019 - porcentual igual ao verificado em 2017 e 2018.

Na prática, caso esta expectativa mais pessimista se confirme, o País terá crescido pouco mais de 1% por três anos consecutivos, sem efetiva aceleração da atividade econômica.

Em um ambiente de inflação baixa e atividade ainda fraca, os economistas do mercado financeiro também esperam pela manutenção da Selic (a taxa básica de juros) no atual patamar, de 6,5% ao ano, pelo menos até maio de 2020, quando a taxa subiria para 6,75% ao ano. 

Conforme o Sistema de Expectativas de Mercado, a projeção também é a de que a Selic suba para 7% em junho do próximo ano.

Em relação à inflação, a projeção mediana para o IPCA (o índice oficial de inflação) para este ano, atualizada com base nos últimos cinco dias úteis, passou de 3,86% para 3,90%. Para 2020, a projeção do IPCA permaneceu em 4%.

As projeções mais recentes do Banco Central, considerando o cenário de mercado, apontam para inflação de 3,9% em 2019, 3,8% em 2020 e 3,9% em 2021. Elas constaram no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de março, divulgado pelo BC na semana passada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.