Mercado projeta retração de 0,58% do PIB em 2015, a maior queda em 25 anos

Se confirmada a estimativa, retração do PIB será a maior desde 1990, quando a economia se contraiu 4,35%; para a inflação, projeção foi elevada para 7,47%

Economia & Negócios

02 de março de 2015 | 08h45

Com a deterioração das estimativas para a produção industrial, o mercado aprofundou a perspectiva de retração da economia brasileira em 2015. Piorou também a estimativa para a inflação, que deve fechar o ano em 7,47%, segundo analistas.

A estimativa mediana do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 passou de -0,50% para -0,58% no Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central. Há quatro semanas, a estimativa ainda estava positiva, em 0,03%. Se confirmada a retração, a queda será a maior desde 1990, quando o PIB fechou o ano em -4,35%. A estimativa divulgada nesta segunda-feira foi a nona revisão seguida para baixo desse indicador. Para 2016, a expectativa segue um pouco mais otimista com previsão de alta de 1,50% (foi a quarta manutenção seguida).

O relatório Focus reúne a opinião de cerca de 100 casas do mercado financeiro sobre as principais variáveis econômicas, como PIB, inflação e câmbio.

A produção industrial continua como referência para a confecção das previsões para o PIB em 2015 e 2016. A mediana das estimativas do mercado para o setor manufatureiro revela uma expectativa de queda de 0,72% para este ano, bem maior do que a previsão de baixa de 0,35% vista na semana passada e de alta de 0,50% de quatro semanas atrás. Para 2016, as apostas de expansão para a indústria são de elevação e foram ampliadas de 2,00% para 2,40% de uma semana para outra. 

Inflação. Na semana de decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre o rumo da taxa básica de juros Selic, o Relatório Focus revela que a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2015 passou de uma alta de 7,33% para 7,47%, a nona semana consecutiva em que há alta neste ano. Para 2016, a mediana das projeções para o IPCA foi reduzida de 5,60%, patamar registrado por cinco semanas seguidas, para 5,50%. 

O Banco Central trabalha com um cenário de alta para o IPCA nos primeiros meses deste ano, mas conta com um período de declínio mais para frente, levando o indicador a ficar no centro da meta de 4,5% no encerramento de 2016. Apesar desse prognóstico mais positivo para o médio prazo, as expectativas para a inflação suavizada 12 meses à frente seguem elevadas. Passaram, no entanto, de 6,55% para 6,54% de uma semana para outra, ante 6,61% de um mês antes.

É no curto prazo que os preços mostram mais descontrole. Depois da alta de 1,24% de janeiro, revelada pelo IBGE, os analistas preveem que o IPCA suba 1,07% em fevereiro - na semana anterior estava em 1,04% e quatro antes, em 1,01%. Para março, é aguardada uma pequena desaceleração da taxa, que deve ser de 0,95%. Na semana anterior, porém, a mediana das previsões estava mais baixa, em 0,79% e um mês antes, em 0,59%.

As projeções para os preços administrados em 2015 avançaram de 10,40% na semana passada para 11% agora. Um mês antes, a mediana estava em 9,00%. Já para 2016, a expectativa é a de que a pressão para a inflação desse conjunto de itens seja menor. A mediana das estimativas continuou em 5,50% pela terceira vez consecutiva. 

Sobre os preços administrados de 2015, o BC explicou que a sua projeção em nível elevado considera hipótese de elevação de 8% no preço da gasolina, em grande parte, reflexo de incidência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) e da PIS/COFINS; de 3,0% no preço do gás de bujão; de 0,6% nas tarifas de telefonia fixa; e de 27,6% nos preços da energia elétrica, devido ao repasse às tarifas do custo de operações de financiamento, contratadas em 2014, da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

Dólar. As previsões para o comportamento do câmbio neste e no próximo ano mostraram mudanças sensíveis no Relatório de Mercado Focus. De acordo com o documento, a mediana das estimativas para o dólar no encerramento de 2015 passou de R$ 2,90 para R$ 2,91. 

Já para 2016, a cotação final ficou paralisada em R$ 3 de uma semana para outra 0 estava em R$ 2,90 quatro levantamentos antes. Apesar disso, a taxa média para o ano que vem avançou de R$ 2,88 para R$ 2,90. Quatro semanas antes, a mediana estava em R$ 2,82. (Colaborou Célia Froufe, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
BCFocusinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.