Mercado reage à surpresa com Copom

À tarde os mercados trabalharam com intensidade para ajustar-se à nova Selic, taxa básica referencial de juros da economia, que foi reduzida de 18,5% a 18% ao ano. Em sua reunião mensal, o Comitê de Política Monetária (Copom) surpreendeu a maioria dos investidores, que apostavam na manutenção da taxa, confiando no característico conservadorismo do órgão. Imediatamente depois do anúncio, o dólar disparou, os juros caíram e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) começou a subir.O fato é que muitos reconheceram que havia espaço para o corte nos juros, assim como nas últimas duas reuniões, quando os mercados estavam muito mais calmos. A flexibilização das metas de inflação, adotada depois da reunião passada, trouxe ainda mais margem para uma queda na Selic, especialmente ao se considerar que a economia está muito desaquecida, não dando folga aos empresários para reajustes de preços.Mas prevalecia a visão de que com o atual cenário econômico empalidecia com as incertezas políticas causadas pela sucessão presidencial e com a crise de confiança no mercado acionário nos Estados Unidos, que vem derrubando as bolsas em Nova York. Teme-se que, sem sustentação real, um corte nos juros pode vir acompanhado de saída de recursos do Brasil e conseqüente alta no dólar. Nos mercados, comentou-se muito um elemento político na decisão, para ajudar o combalido candidato do PSDB/PMDB à Presidência, José Serra, o que o governo nega veementemente. Mas, mesmo o deputado José Dirceu, presidente do PT, elogiou a decisão de Nova York, onde está em conversas com lideranças governamentais, empresariais e sindicais.Vale lembrar que amanhã o candidato do PT ao Senado por São Paulo, Aloízio Mercadante, uma das principais figuras econômicas do partido, encontra-se com o presidente do Banco Central (BC). Em pauta estará o pacote de transição com o Fundo Monetário Internacional (FMI). O PT afirma que aceita o acordo, mas desde que não haja ingerência do Fundo na política econômica nem metas rígidas, o que é praticamente impossível. As conversas versarão exatamente sobre as garantias que um governo do PT ofereceria ao FMI e aos mercados para acalmar a tensão das últimas semanas.Mercados O comercial foi vendido a R$ 2,8970 nos últimos negócios do dia, em alta de 0,87% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 2,8630 e R$ 2,9150. Com o resultado dessa quarta-feira, o dólar acumula uma alta de 25,09% no ano e 2,73% em julho.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagam taxas de 21,650% ao ano, frente a 21,950% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 26,050% ao ano, frente a 27,050% ao ano negociados ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 1,67% em 10754 pontos e volume de negócios mais elevado que nos últimos dias, de 542 milhões. Com o resultado de hoje, a Bolsa acumula uma baixa de 20,79% em 2002 e 3,46% só em julho. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, 13 apresentaram quedas. O principal destaque foram os papéis da CSN ON (ordinárias, com direito a voto), com valorização de 15,20%, para R$ 54,03. A ação foi a mais movimentada no dia, com volume de R$ 101,082 milhões, ou 21,2% em função da fusão com a companhia anglo-holandesa Corus, cujos detalhes foram anunciados hoje. Dentre as quedas, a principal foi a da Embratel, repetindo o desempenho dos últimos dias. Os papéis ON caíram mais 8,37% hoje, e os PN (preferenciais, sem direito a voto), 1,28%. Mercados internacionais Em Nova York, vários anúncios de resultados agradaram, interrompendo as fortes altas das duas últimas semanas. O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 0,82% (a 8542,5 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - subiu 1,60% (a 1397,25 pontos). Às 18 h, o euro era negociado a US$ 1,0076; uma queda de 0,42%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em baixa de 0,37% (375,31 pontos). E o dólar oficial para venda acabou cotado a $3,55 pesos.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.