Mercado reage mal a aumento do compulsório

A bolsa de São Paulo reagiu mal ao aumento da alíquota do recolhimento compulsório sobre depósitos à vista de 45% para 60%, decidido hoje pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. A medida objetiva desacelerar a atividade econômica, com a retira da de R$ 8 bilhões do mercado, segundo estimativa do próprio BC. O Ibovespa vinha numa queda aproximada de 1,5%, mas quando terminou a reunião do Copom, acentuou a queda e atingiu a mínima de -2,33%. O índice fechou em baixa de 1,89%, com volume financeiro prejudicado de apenas R$ 475 milhões.Para o mercado de juros, o Copom acabou confirmando a expectativa da maioria dos analistas e elevou o juro em um ponto percentual (para 26,5%), sem tendência. A maior parte dos profissionais considerou que as medidas tomadas hoje foram as mais adequadas para o momento. NA BM&F, o contrato futuro de juros para março fechou em 26,45%, contra 26,20% ontem. O mercado cambial também paralisou os negócios à tarde por causa da demorada reunião de cinco horas do Copom, que só terminou após o fechamento do mercado à vista. No mercado à vista, o dólar comercial fechou em alta de 0,64%, a R$ 3,615.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.