ANDRE DUSEK | ESTADÃO
ANDRE DUSEK | ESTADÃO

Mercado reduz projeção de crescimento da economia em 2019 para 2,48%

Projeções de analistas do mercado financeiro mostram que expectativa de crescimento do PIB recuou de 2,50% para 2,48% em 2019, mas avançou de 2,50% para 2,58% em 2020

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2019 | 09h28

A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 variou de 2,50% para 2,48%, conforme o Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira, 18, pelo Banco Central. Há quatro semanas, a estimativa de crescimento era de 2,53%. Para 2020, o mercado financeiro alterou a previsão de alta do PIB de 2,50% para 2,58%. Quatro semanas atrás, estava em 2,60%.

As projeções para inflação em 2019 foram mantidas em 3,87% e em 4% para 2020. A expectativa para a taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, também não foi alterada: 6,50% em 2019 e 8% em 2020. O mercado ainda manteve as projeções para o dólar ao final deste e do próximo ano, em R$ 3,70 e R$ 3,75, respectivamente.

A projeção do Banco Central para o crescimento do PIB em 2019 é de 2,4%. Esse porcentual foi divulgado no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de dezembro.

Na última sexta-feira, o BC informou que o Índice de Atividade (IBC-Br) subiu 1,15% em 2018, na série sem ajuste sazonal. Em dezembro, a alta foi de 0,18% ante o mesmo mês de 2017 e de 0,21% em relação a novembro do ano passado (série dessazonalizada).

No relatório Focus desta segunda-feira, 18, a projeção para a produção industrial de 2019 passou de alta de 3,04% para elevação de 3,00%. Há um mês, estava em 3,04%. No caso de 2020, a estimativa de crescimento da produção industrial permaneceu em 3,00%, igual ao visto quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2019 passou de 56,05% para 56,00%. Há um mês, estava em 56,30%. Para 2020, a expectativa foi de 58,16% para 58,30%, ante 58,16% de um mês atrás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.