Mercado reduz projeção de crescimento do PIB em 2014 para 0,79%

Analistas consultados pelo Banco Central no Boletim Focus diminuíram a estimativa de crescimento da economia pela 12ª vez consecutiva

Economia & Negócios e Agência Estado

18 de agosto de 2014 | 08h39

SÃO PAULO - O mercado reduziu nessa segunda-feira, 18, pela 12ª vez consecutiva, as perspectivas para o desempenho da economia neste ano. Segundo o Boletim Focus do Banco Central, agora economistas acreditam que o Produto Interno Bruto (PIB) deve fechar 2014 em alta de 0,79%. Na semana passada, as projeções apontavam para um crescimento de 0,81%. Há quatro semanas, a expectativa era de 0,97%. 

A diminuição das projeções ocorre após o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) apontar recuo de 1,20% da atividade econômica no segundo trimestre, o que para alguns especialistas já acendeu o sinal amarelo de que pode haver recessão da economia no período. O IBGE divulga o PIB no dia 29 de agosto.

As sucessivas quedas das estimativas para este indicador vêm chamando a atenção até da imprensa internacional. Na semana passada, a edição online do jornal britânico Financial Times comparou as projeções da pesquisa Focus do Banco Central com a "dança da cordinha", argumentando que, a cada rodada, a previsão para o crescimento do Brasil cai mais um pouco. A publicação aponta, porém, que os eleitores do País não parecem estar incomodados com esse cenário. Para 2015, porém, a estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) ficou estacionada em 1,20%. Um mês atrás, a mediana estava em 1,50%. A expectativa para o fraco crescimento é explicada pelas previsões negativas do mercado para o setor industrial. Para 2014, a mediana das estimativas passou de uma retração de 1,53% para uma queda de 1,76%. Para 2015, porém, a previsão segue em alta de 1,70% há quatro semanas antes.

Os analistas corrigiram também suas estimativas para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2014. A Focus de hoje aponta uma mediana de 34,89% ante taxa de 34,85% da semana passada e de um mês atrás. Para 2015, segue em 35,00% há nove semanas.

Inflação menor. O Relatório de Mercado Focus revelou que a projeção para o IPCA de 2014 caiu levemente de 6,26% para 6,25%. Há quatro semanas, a estimativa era de 6,44%. Esta é a quinta semana consecutiva em que há diminuição das previsões. Já para 2015, a mediana das estimativas seguiu em 6,25% de uma semana para outra. Um mês antes, a expectativa mediana estava em 6,12%. A previsão suavizada para o IPCA para os 12 meses à frente, porém, aumentou de 6,19% para 6,21%. Há quatro semanas estava em 5,95%. 

Juro estável. Os economistas consultados preveem uma taxa Selic menor ao final do ano que vem do que o estimado na semana passada. De acordo com o boletim divulgado esta manhã, a mediana das estimativas passou de 12% ao ano, nível que se encontrava há um mês, para 11,75% ao ano. Mesmo assim, a taxa encerrará 2015, de acordo com a pesquisa, mais alta do que o mercado espera para o final deste ano. 

Pela Focus, não houve alteração na mediana da projeção para a Selic no fim de 2014, que segue em 11% ao ano há 11 semanas. Vale destacar que este é o nível atual da taxa básica de juros da economia brasileira. O próximo encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) para definir o rumo dos juros será nos dias 02 e 03 de setembro. 

Tudo o que sabemos sobre:
PIBFocuscrescimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.