Mercado responde bem a Murphy

Depois do anúncio na sexta-feira da renúncia de José Luis Machinea, as atenções voltaram-se à Argentina com a espera pela indicação do novo ministro da economia. Após o fechamento do mercado, o presidente Fernando de la Rúa anunciou como o nome de Ricardo López Murphy.A reação do mercado foi positiva. A prova disso foi o anúncio, há pouco, de elevação da recomendação dos papéis da dívida da Argentina de "underweight para "market weight" feita pela Merrill Lynch. Alicia Duran, economista da Merrill Lynch, atribuiu o ajuste à nomeação de do novo ministro, que em sua primeira entrevista coletiva tratou de aliar os ânimos dos investidores. Ele afirmou que a política cambial de paridade com o dólar não será alterada e que a intenção do governo é cumprir as metas estabelecidas com o Fundo Monetário Internacional (FMI) Com relação aos Estados Unidos, foi divulgado o nível de atividade não-industrial (NAPM), que cresceu 51,7 em fevereiro. A alta do índice animou os mercados americanos, pois indica que o perigo de uma forte desaceleração da economia já não é mais tão evidente.No cenário interno, persistem as agitações em torno de das declarações do ex-presidente do Senado, Antônio Carlos Magalhães, a respeito do envolvimento do presidente Fernando Henrique Cardoso em esquemas de corrupção. As denúncias mais recentes envolvem agora o ex-diretor do Banco do Brasil, Ricardo Sérgio. ACM afirma ter provas de que Ricardo Sérgio teria recebido propina de R$ 90 milhões para ajudar a formar o consórcio Telemar, na época da privatização da Telebrás. Para o mercado, essas declarações ferem a imagem do presidente, com a possibilidade até de investigação pelo Ministério Público.Números do mercadoEm Nova York, a Nasdaq - bolsa que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - registra alta de 0,75%. O índice Dow Jones - que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - está em alta de 0,55%. No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em baixa de 0,20%. O dólar comercial está cotado a R$ 2,0250 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,15% em relação aos últimos negócios de ontem. Já os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 16,120% ao ano, frente a 16,140% ao ano registrados ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.