Mercado segue fraqueza das bolsas e dólar sobe 0,77%

Moeda norte-americana fecha cotada a R$ 1,839; Bovespa cai mais de 2%, puxada por ações da Vale

Rodolfo Barbosa, da Reuters,

03 de outubro de 2007 | 16h52

O dólar fechou em alta nesta quarta-feira, 3, pelo segundo dia consecutivo, acompanhando o movimento dos mercados no exterior e a fraqueza da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).  A moeda norte-americana subiu 0,77%, para R$ 1,839, seguindo o movimento de recuperação do dólar no mercado internacional.  A Bovespa, que colaborou para a queda do dólar nas últimas sessões, passou a ser uma das responsáveis pelo avanço da moeda depois que investidores estrangeiros decidiram realizar lucros.  Júlio César Vogeler, operador de câmbio da Corretora Didier Levy, avaliou que o dólar subiu devido à "realização de lucro por parte dos estrangeiros" mas que se trata apenas de um movimento passageiro.  Influenciada pela forte desvalorização das ações da Companhia Vale do Rio Doce e do Banco do Brasil, a Bovespa operava em baixa superior a 2% nesta tarde.  Às 16h42, o Ibovespa recuava 2,47%, para 60.318 pontos. Após impulsionar a seqüência de recordes do principal indicador da Bolsa paulista, as ações preferenciais da Vale do Rio Doce caíam 6,30%, enquanto as ordinárias recuavam 6,66%, a R$ 51,30 e R$ 60,67, respectivamente.  "A bolsa já estava sendo considerada cara depois de tantos recordes de alta seguidos, com destaque para a grande contribuição da Vale", afirmou um operador de uma corretora que pediu para não ser identificado.  Entre os fatores mencionados por operadores para a queda da Vale, que no final da semana passada superou o valor de mercado da Petrobras, está relatório do JP Morgan rebaixando a recomendação para as ações da mineradora.  "Já se sabia que uma realização de lucros aconteceria esta semana, a queda era natural. E junto com isso veio o relatório do JP Morgan, rebaixando a Vale de 'compra' para 'neutro', por conta do alto valor que os papéis da empresa haviam atingido", acrescentou o operador.  As ações de bancos também registravam queda acentuada na Bovespa: Bradesco, por exemplo, perdia 3,21%, a R$ 54,20, e Unibanco tinha oscilação negativa de 3,51%, para R$ 25,01.  No setor financeiro, a maior queda era Banco do Brasil, com baixa de 5,01%, a R$ 30,35. Nesta manhã, a instituição financeira informou que os acionistas Previ e BNDESPar aprovaram oferta secundária de ações do banco.  Normalmente, as ações de empresas que anunciam a intenção de realizar uma oferta secundária ficam pressionadas no curto prazo, já que os investidores tendem a vender papéis antes da operação para comprá-las posteriormente a um preço inferior.  Em Nova York, o índice Dow Jones caía 0,61% e o Nasdaq cedia 0,73%.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespadólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.