Mercado segue positivo após payroll

Relatório sobre nível de emprego nos EUA trouxe números mistos, mas investidores olharam para dado bom

Claudia Violante, Taís Fuoco e Alessandra Taraborelli, O Estadao de S.Paulo

05 de setembro de 2009 | 00h00

O relatório sobre o mercado de trabalho norte-americano em agosto trouxe números mistos, o que adicionou volatilidade aos negócios nas Bolsas, ontem. Os investidores tiveram que escolher se reagiriam ao aumento da taxa de desemprego nos Estados Unidos para 9,7% - o maior nível desde junho de 1983 - ou ao corte de 216 mil vagas - abaixo da previsão de redução de 276 mil. Após alguma indecisão, a opção foi pela compra de ações. Assim, as Bolsas em Nova York subiram mais de 1%, o que foi seguido pela Bovespa. O índice paulista avançou 1,70%, aos 56.652,28 pontos. Contudo, na semana, apurou queda de 1,81%. A melhora externa também amparou a 3ª baixa do dólar ante o real, período em que acumulou perda de 3,5%. Ontem, a moeda norte-americana cedeu 1,39%, a R$ 1,840 no balcão. No mercado de juros, apesar dos indicadores que sugeriam alta das taxas, como o aumento da produção de veículos no País em agosto, ocorreu o contrário, em meio a ajustes técnicos antes dos feriados na segunda-feira no Brasil (Dia da Independência) e nos EUA (Dia do Trabalho). O juro para janeiro de 2010 manteve-se em 8,64% e a taxa para janeiro de 2011 cedeu a 9,70%.

FRASE

Vitoria Saddi

Profª do Insper em SP, ao AE Broadcast Ao Vivo

''Risco de duplo mergulho dos EUA na recessão existe porque economia ainda enfrenta problemas nos setores financeiro e imobiliário"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.