Mercado sente diminuição da instabilidade

As declaração do presidente do banco central norte-americano (FED), Alan Greenspan, e do presidente do Banco Central (BC), Armínio Fraga, nos últimos dias, sinalizando queda de juros nos dois países, motivou uma reação dos negócios no mercado financeiro e aumentou o volume de operações na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Hoje esse cenário foi percebido também no mercado de juros e de câmbio.No início da tarde, os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 17,450% ao ano, frente a 17,670% ao ano ontem. O dólar comercial está cotado a R$ 1,9690 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,30% em relação aos últimos negócios de ontem. A Bovespa opera em alta de 3,08%.A semana termina mais positiva no mercado financeiro. A Argentina está mais próxima de receber a esperada ajuda financeira internacional após a aprovação do orçamento no Senado; a Turquia já tem um pacote superior a US$ 10 bilhões prometido; nos EUA, a perspectiva é de redução de juros; e, no Brasil, o próprio presidente do BC, ao comentar a melhora do cenário externo, abriu o caminho para o mercado apostar no corte da taxa básica de juros - Selic - ainda este ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.