Mercado vê mais dois cortes de juro e parada a 11%

Analistas revisam para cima projeção para os juros, acompanhando aumento na expectativa de inflação

RENATO ANDRADE, REUTERS

03 de setembro de 2007 | 09h06

O mercado financeiro do País consolidou a visão de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central fará mais dois cortes na taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 11,5% ao ano) e interromperá o ciclo de queda a partir de dezembro, revela pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 3.  De acordo com o levantamento feito pelo Banco Central, os analistas acreditam que o Copom irá cortar a taxa Selic nesta semana em 0,25 ponto percentual, levando o juro básico para 11,25%. Até dezembro, a taxa deve ser cortada mais uma vez, no mesmo percentual, fechando o ano em 11%.  Essa estimativa está acima da projeção feita no levantamento passado, quando os analistas ainda acreditavam que o juro básico brasileiro encerraria o ano em 10,75%.  A revisão também afetou a projeção para a taxa de juro para dezembro de 2008, que era estimada em 9,75%, e passa agora a 10%. Inflação  Em boa medida, as novas estimativas para o cenário da taxa básica de juro refletem as projeções feitas pelos mesmos analistas para o comportamento dos preços neste ano.  Há uma semana, os analistas consultados pelo BC estimavam que a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2007 ficaria em 3,86%. Agora, a estimativa é de alta de 3,92%.  A variação prevista ainda é inferior ao centro da meta fixada pelo governo, de 4,5%, mas a folga diminuiu. Para 2008, o cenário traçado continua apontando para uma inflação de 4%, também abaixo do centro da meta.  Em termos de crescimento, os analistas continuam otimistas. Para 2007, os cálculos indicam um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,7%, mesmo percentual estimado pelo Banco Central no relatório de inflação do segundo trimestre. Para 2008, o mercado vê crescimento de 4,4%.

Tudo o que sabemos sobre:
BACENPROJECOESAUTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.