coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Mercados aguardam Copom e pesquisas

Os mercados começam a semana em compassa de espera. As atenções estão voltadas para a divulgação do resultado de novas pesquisas eleitorais e para a reunião mensal do Comitê de Política Monetária (Copom) que vai reavaliar a Selic, a taxa básica de juros da economia, atualmente em 18,5% ao ano. Às 15h, o dólar está cotado a R$ 2,4870 - patamar máximo dia - na ponta de venda dos negócios, em alta de 0,44% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda de 0,53%. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em junho deste ano apresentaram uma pequena elevação nas taxas - de 18,320% ao ano hoje, frente a 18,300% ao ano sexta-feira. Já os contratos com vencimento em janeiro de 2003 têm juros de 18,830% ao ano, frente a 18,800% ao ano na sexta-feiraEm relação à reunião do Copom, a maioria dos analistas aposta em manutenção da taxa. Isso porque as declarações do presidente do Banco Central (BC), Armínio Fraga, na semana passada, destacaram que a preocupação com a queda da demanda não seria o único ponto a ser considerado na reavaliação da Selic. Além disso, desde a última reunião do Copom, houve uma piora das condições gerais do cenário: valorização do dólar frente ao real; alta do preço do petróleo; piora da taxa de risco-país; e os números de inflação. De qualquer forma, há quem acredita em um corte de 0,25 ponto porcentual.Já o cenário político continua chamando a atenção dos investidores, devido à proximidade das eleições presidenciais. Os investidores aguardam a divulgação de pesquisas eleitorais - devem sair os números do instituto Ibope e do Vox Populi nos próximos dias -, mas com menor ansiedade do que nas semanas passadas.Mercados internacionaisNos Estados Unidos, as bolsas operaram em baixa. O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - está em queda de 0,89%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - opera com baixa de 2,14%.Os investidores norte-americanos voltaram a ficar assustados ante a possibilidade de um novo ataque terrorista, depois do alerta feito ontem pelo vice-presidente norte-americano, Dick Cheney. Segundo ele, a possibilidade de os EUA serem alvo de novo atentado é "quase certa" e não se tratava de um problema de "se" os EUA serão ou não atingidos, mas de "quando". Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

20 de maio de 2002 | 15h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.