Mercados aguardam dados de pesquisa eleitoral

O início da semana para o mercado financeiro deve expressar certa cautela, diante das expectativas sobre a divulgação pesquisa eleitoral CNT/Sensus. A última pesquisa divulgada, realizada pelo Ibope, apontou crescimento do candidato Anthony Garotinho, em contrapartida à ligeira queda do candidato do governo, José Serra. Por conta desse movimento, o mercado fica apreensivo com a pesquisa de hoje, que apresenta também a avaliação da população sobre o atual governo. Números favoráveis ao candidato do governo devem trazer o otimismo de volta. Dados neutros ou ruins para Serra, simultâneos a melhoras de outros candidatos, podem definir pela permanência da piora dos mercados que foi registrada na sexta-feira. Hoje também estão sendo divulgados os dados da balança comercial relativos à quarta semana de março.Mas não é só isso que o mercado espera. Amanhã, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga o resultado do Índice de Preços ao Consumidor Amplo - E (IPCA-E), referente aos meses de janeiro, fevereiro e março. Na quarta-feira, sai o relatório de inflação, que trará as projeções do Ministério da Fazenda para o IPCA no ano e apresentará os focos de preocupação da equipe econômica. Na quinta, finalmente, sai a ata do Comitê de Política Monetária (Copom), que justificará a decisão de reduzir a taxa de juros Selic em apenas 0,25 ponto. O mercado deve, na opinião dos operadores, manter as taxas muito próximas do nível atual, por conta dessa agenda cheia.ArgentinaO destaque externo será a Argentina, que foi o principal motor do estresse registrado na sexta-feira. No país vizinho, o dólar fechou a semana passada em 3,10 pesos para a venda e 2,90 pesos para a compra e hoje o mercado argentino reabrirá com novas regras. Nesta madrugada, uma série de medidas para controlar a disparada do dólar foi anunciada pelo governo argentino, com destaque para a restrição da quantidade de pesos do mercado e o aumento da oferta de dólares disponível nas próximas semanas. O BC argentino definiu também que dificultará ao máximo os empréstimos, chamados de redescontos, concedidos às instituições com dificuldade de liquidez. Isso porque algumas usavam o dinheiro para comprar dólares e pressionar o pesoNúmeros do mercadoHá pouco, o dólar comercial para venda estava cotado em R$ 2,3730, com alta de 0,25%. No mercado de juros, os contratos de DI futuro, com vencimento em outubro, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) pagam juros de 18,250% ao ano frente a 17,240% ao ano negociados ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em alta de 0,22%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.