Mercados ainda instáveis

A espera pela divulgação do pacote de ajuda econômica do Fundo Monetário Internacional (FMI) à Argentina e a proximidade do leilão do Banespa estão no centro das atenções dos mercados. São dois fatores de instabilidade que podem alterar bastante os humores do mercado.Na terça-feira, o secretário de Defesa da Argentina, Lopes Murphy, disse em Nova York que a imprensa se precipitou ao prever que o pacote de ajuda internacional sairia esta semana. O FMI condiciona o pacote às medidas anunciadas na sexta-feira passada. A única que teria implantação no curto prazo - o congelamento dos gastos na união e nas províncias - enfrenta difíceis negociações com os governadores, na maioria de oposição. Também na terça, a agência de classificação Standard & Poor´s rebaixou a nota de avaliação (rating) dos papéis argentinos, o que não afetou muito o mercado de títulos de países emergentes. Agora, o que pode acalmar os mercados é a divulgação do pacote do FMI, cujas condições e volume determinarão a percepção dos investidores.Quanto ao leilão do Banespa, surgiram várias más notícias para os mercados na terça-feira. A juíza titular da 1ª Vara da Justiça Federal de São Paulo, Alda Maria Basto Caminha Ansaldi, decidiu suspender o leilão de privatização do Banespa, marcado para a próxima segunda-feira. Não se trata de uma liminar judicial; a decisão da juíza é passível de recurso. Além disso, três bancos já desistiram da disputa, BankBoston, Citibank e o BBVA. Ainda assim, consultoria Austin Asis trabalha com uma expectativa de um ágio de 150% no leilão, que deve ser concorrido entre os bancos nacionais. Como a venda está muito próxima e movimentará um volume grande de recursos, espera-se que venha a influenciar os mercados nos próximos dias.

Agencia Estado,

16 de novembro de 2000 | 08h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.