Mercados: apreensão com Argentina

A semana passada prometia ser tranqüila, com um feriado na quinta-feira e os mercados recuperando-se. Porém, os fracos resultados da balança comercial brasileira têm aumentado a vulnerabilidade da economia em relação a eventos externos, em especial, das notícias da Argentina.Como importante parceira brasileiro, crises na Argentina tendem a ter efeitos no Brasil. E as dificuldades econômicas no país vizinho estão se agravando. E os mercados financeiros brasileiros têm oscilado em conseqüência do noticiário. É verdade que há outros fatores de pessimismo, como a preocupação com a alta do preço do petróleo e o desaquecimento da economia norte-americana, mas nada se compara ao efeito da crise argentina. Com isso, a expectativa ainda é de que haja grandes oscilações ao longo da semana, com atenção especial ao dólar, que tem sido o termômetro do nervosismo do mercado. No fechamento de sexta-feira, a moeda estava cotada no seu nível mais alto desde 1 de novembro de 1999, a R$ 1,9430.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.