Mercados apreensivos com economia dos EUA

Os mercados abriram a semana ontem contaminados pelo prejuízo que vem dominando o mercado norte-americano ultimamente. Os dados divulgados desde sexta-feira indicam uma forte retração da economia norte-americana com um repique inflacionário no mês de janeiro. Ainda não se sabe se a alta da inflação apresentada no mês passado representa uma tendência, mas o presidente do FED - banco central dos Estados Unidos -, Alan Greenspan, já afirmou que a alta nos preços não impedirá a queda nos juros. Em declarações ao Senado norte-americano, ele deu sinais claros de que a redução dos juros virá, mas negou que o corte ocorra antes da próxima reunião mensal do FED, dia 20 de março. Os juros básicos estão em 5,5% ao ano, já tendo caído um ponto porcentual desde o início do ano. A expectativa do governo é que as sucessivas reduções nos juros incentivem os gastos dos consumidores e investimentos das empresas, como efeito do crédito mais barato e da remuneração mais baixa da poupança.O pessimismo demonstrado nos indicadores aumenta as preocupações com a possibilidade de uma recessão, ao invés de uma recuperação econômica no final do ano. Mesmo assim, a maioria dos analistas ainda descarta essa hipótese. Nos mercados brasileiros, a resposta à instabilidade nos Estados Unidos traduz-se em queda na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e alta no dólar e nos juros. Veja no link abaixo, o ranking das aplicações financeiras no mês de fevereiro. O dólar continua liderando e a Bolsa já perdeu quase todo o rendimento apurado em janeiro.O mercado continuará concentrando suas atenções no noticiário dos Estados Unidos. Amanhã serão divulgados dados relevantes para a percepção da trajetória da economia norte-americana. Às 10h30, sai o total de pedidos de seguro-desemprego da semana até 24 de fevereiro e os índices de renda pessoal e gastos com consumo em janeiro. Ao meio-dia, serão divulgados o índice de atividade da Associação Nacional dos Gerentes de Compras (NAPM) em fevereiro e os gastos com construção civil em janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.