Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Mercados asiáticos batem recorde ainda puxados pelo Fed

Na Europa, dólar tem menor cotação contra o euro de sua história; Bernanke fala ao Congresso dos EUA às 11h

Reuters e BBC Brasil,

20 de setembro de 2007 | 09h44

As bolsas de valores da Ásia atingiram novo recorde nesta quinta-feira, 20, ampliando ganhos depois do grande corte de juro dos Estados Unidos promovido pelo Federal Reserve na terça-feira. O dólar recuou para o menor patamar contra o euro antes da audiência do chairman do banco central norte-americano, Ben Bernanke, ao Congresso do país.  O petróleo e o ouro recuaram de preços recordes definidos durante a noite, mas o primeiro ainda foi apoiado por preocupações com oferta, enquanto o ouro continuou sustentado por investidores em busca de portos seguros.  Analistas disseram que apesar da decisão do Fed de cortar a taxa básica de juro ter conseguido ampliar a confiança dos investidores, há ainda ceticismo em torno da solução dos problemas globais dos mercados de crédito.  Às 7h35 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne os principais mercados da Ásia com exceção do Japão subia 1,02%, para 506,98 pontos, batendo recorde e recuperando perdas sofridas em julho e agosto. Com isso, os ganhos no ano do indicador são de mais de 27%.  A bolsa de Tóquio, registrou valorização de 0,2%, após ganho de 3,7% na sessão anterior. Os negócios foram apoiados por ações de empresas como Japan Steel Works . O movimento foi pressionado por fraqueza em papéis de instituições financeiras como o Sumitomo Mitsui Financial Group, que perdeu 2,4%.  Na Coréia do Sul, a bolsa de Seul subiu 0,33%, para 1.908 pontos, incentiva por ações de companhias exportadoras como a LG Electronics. A bolsa de Taiwan subiu 0,63%, a 8.983 pontos. Hong Kong avançou 0,57%, a 25.701 pontos. Xangai registrou valorização de 1,39%, para 5.470 pontos.  As atenções dos investidores estarão voltadas ao pronunciamento de Bernanke, que deve falar ao Congresso norte-americano sobre a situação dos problemas do setor de crédito imobiliário de alto risco. A fala está marcada para ocorrer às 11h (horário de Brasília).  Dólar Na Europa, o euro passou pela a marca dos US$ 1,40 primeira vez desde que foi criada. Analistas dizem que a baixa de juros nos EUA foi o principal responsável pela queda no valor da moeda americana.  Na manhã desta quinta, o euro chegou a alcançar o valor de US$ 1,4064, a cotação mais baixa desde a introdução da moeda única européia em 1999. A baixa do dólar frente ao euro pode afetar a cotação da moeda americana em todo o mundo, já que a marca de US$ 1,40 é considerada "psicologicamente importante" por analistas. O iene japonês também subiu frente ao dólar, e no Brasil, a moeda atingiu a menor cotação desde o fim de julho, quando começou a crise no setor imobiliário americano. "A baixa de juros nos EUA foi feita para evitar danos da crise imobiliária à economia do país", explica Gertrud Traud, economista-chefe do banco alemão Helaba. Com juros mais baixos empréstimos e compras a crédito ficam mais baratos e estimulam o consumo, evitando um desaquecimento da economia.

Tudo o que sabemos sobre:
Aversão ao riscoÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.