Mercados asiáticos fecham em baixa; na China, bolsas caem 6%

Prejuízos do setor bancário nos EUA levam nervosismo ao mercado de crédito; alta do petróleo contibui

Ricardo Criez, da Agência Estado,

19 de junho de 2008 | 07h53

Os mercados asiáticos fecharam em forte queda nesta quinta-feira, 18. O resultado negativo das bolsas dos EUA e os renovados temores sobre as perspectivas da economia norte-americana foram fatores determinantes. Também pesaram a pressão inflacionária e as quedas na China e no Japão. A Bolsa de Hong Kong apresentou declínio por conta da desvalorização das ações de imobiliárias, devido às preocupações referentes à elevação das taxas de juros. O índice Hang Seng caiu 528,19 pontos, ou 2,3%, e terminou aos 22.797,61 pontos, com fraco volume de negociações. Sino Land caiu 4,7%. Sinopec perdeu 4%. Veja também:Lucro do banco Morgan Stanley cai 60% no trimestreFedEx tem prejuízo trimestral de US$ 241 miEntenda os efeitos da crise nos Estados Unidos  Cronologia da crise financeira   Expectativas de que o governo irá adotar medidas adicionais de aperto monetário para controlar a inflação aumentaram as preocupações sobre os ganhos corporativos. Isso fez desabar as Bolsas da China, que devolveram os ganhos do forte rali do pregão anterior. O índice Xangai Composto perdeu 6,5% e encerrou aos 2.748,87 pontos, após subir 5,2% na véspera. Já o Shenzhen Composto caiu 7,4% e terminou aos 780,56 pontos. Várias empresas atingiram a baixa limite diária de 10%, como Air China, China Eastern Airlines, Citic Securities e Northeast Securities. A queda na taxa de paridade central dólar-yuan pelo terceiro pregão consecutivo - passou de 6,8823 yuans para 6,8796 yuans - impulsionou a unidade chinesa para um novo recorde de valorização sobre a moeda norte-americana no final do pregão - o dólar chegou a ser vendido a 6,8748 yuans. No mercado de balcão, o dólar fechou aos 6,8776 yuans, abaixo do fechamento de quarta-feira, que foi de 6,8821 yuans.Depois de quatro pregões seguidos de alta, a Bolsa de Taipé, em Taiwan, apresentou baixa. O índice Taiwan Weighted caiu 2,1% e fechou aos 8.047,74 pontos - o pior nível em três meses -, com fraco volume de negociações. Na Coréia do Sul, o mercado também fechou em baixa. As ações das empresas de tecnologia lideraram o declínio. O índice Kospi da Bolsa de Seul caiu 1,9% e encerrou aos 1.740,72 pontos. LG Electronics desabou 5,5% e Samsung Electronics recuou 4,1%. Hankook Tire Manufacturing teve baixa de 5,2%.Já o mercado filipino apresentou queda pela segunda sessão consecutiva. A alta dos preços do petróleo elevou os temores de que a inflação irá prejudicar os ganhos das empresas e o crescimento econômico. O índice PSE Composto, da Bolsa de Manila, caiu 1,4% e fechou aos 2.592,59 pontos. Após dois pregões seguidos de alta, a Bolsa de Sydney, na Austrália, fechou em queda. O sentimento frágil dos investidores fez as principais ações serem negociadas em níveis não vistos desde antes da crise de crédito global. Apenas o segmento de energia acabou beneficiado pela alta dos preços do petróleo. O índice S&P/ASX 200 perdeu 1,4% e encerrou aos 5.366,6 pontos. Macquarie Infrastructure Group caiu 8,2%. Asciano perdeu 9,5%. BHP Billiton recuou 0,7%, mas Fortescue avançou 4,4%. A Bolsa de Cingapura sucumbiu à queda em Wall Street e à alta dos preços do petróleo e o índice Strait Times perdeu 1,6% e rompeu a barreira psicológica dos 3.000 pontos, fechando aos 2.992,66 pontos.As compras, por parte de fundos estrangeiros, de ações relacionadas a commodities fizeram a Bolsa de Jacarta, na Indonésia, subir. O índice composto valorizou 0,4% e fechou aos 2.373,06 pontos. Mas, segundo um trader, o sentimento geral continua sendo de cautela, devido às preocupações sobre a alta dos preços do petróleo e a inflação. Na Tailândia, a elevação das tensões políticas às vésperas de um ato anti-governo na capital fizeram o índice SET da Bolsa de Bangcoc perder 3% e fechar aos 742,46 pontos. O mercado da Malásia caiu pelo quarto dia seguido, uma vez que os aumentos dos riscos políticos, preocupações com a inflação e quedas dos mercados regionais levaram o índice de referência à maior baixa em três meses. O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur cedeu 1,3% e fechou aos 1.196,39 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.