Mercados asiáticos reagem após dia de turbulência

Na manhã desta terça-feira, bolsas de Tóquio, Taiwan e Hong Kong operam em alta.

Da BBC Brasil, BBC

18 de março de 2008 | 03h20

Depois de um dia de grande turbulência global e fortes quedas, os mercados asiáticos reagiram e abriram em alta nesta terça-feira.No início da manhã (pelo horário local), o índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio operava em alta de 1,5%, depois de ter fechado a segunda-feira em queda de 3,7%.As bolsas de Taiwan e Hong Kong também apresentavam sinais de recuperação no início do pregão desta terça-feira.Na segunda-feira, as bolsas dos principais mercados de ações do mundo registraram queda em uma reação à operação de salvamento do banco de investimentos americano Bear Stearns durante o fim de semana.Em São Paulo, o índice Bovespa fechou em queda de 3,19%, em 60.011 pontos. O dólar comercial subiu 0,64%, vendido a R$ 1,724. Em Nova York, o índice Dow Jones operou em queda durante toda a segunda-feira, mas acabou fechando o dia em leve alta de 0,18%. Na Europa, o índice FTSE 100 de Londres fechou com queda de 3,86%. O CAC-40, de Paris, caiu 3,51% e o Dax, de Frankfurt, encerrou com baixa de 4,18%.Medidas "fortes"Apesar do clima de pessimismo nos mercados internacionais, o presidente americano, George W. Bush, tentou tranqüilizar os investidores nesta segunda-feira."Certamente, estamos passando por momentos desafiadores", afirmou Bush, em Washington. "Mas outra coisa também é certa: estamos tomando medidas fortes e decisivas." "O Federal Reserve (Fed, banco central americano) agiu rapidamente para colocar ordem nos mercados financeiros", acrescentou.Bush também voltou a afirmar que, em longo prazo, a economia americana ficará bem e elogiou o secretário do Tesouro americano, Henry Paulson."Gostaria de agradecer ao secretário pelo trabalho durante o fim de semana", disse o presidente americano. "Você mostrou ao país e ao mundo que os Estados Unidos estão cuidando do problema", acrescentou. "E reafirmou o fato de que nossas instituições financeiras são fortes e que nossos mercados de capitais estão funcionando de forma eficiente.""Obviamente, vamos continuar a monitorar a situação e, quando for necessário, vamos agir de forma decisiva para continuar a trazer ordem para os mercados financeiros", acrescentou.ConfiançaA confiança dos investidores foi atingida pelos problemas do banco americano Bear Stearns. No final da semana passada, a instituição foi obrigada a pedir verbas de emergência para o Fed.Para tentar evitar que a crise do Bear Stearns se espalhasse para outras partes do setor bancário dos Estados Unidos, o Fed cortou a taxa de juros para empréstimos diretos para bancos em 0,25 ponto percentual, para 3,25%.Durante o fim de semana, o Bear Stearns foi vendido para o JP Morgan Chase por apenas uma pequena parte de seu valor.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.