Mercados atentos à Argentina

A Argentina deve ser o principal foco de atenções dos investidores nesta semana. Nesta segunda-feira, uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) desembarca no país com o objetivo de auxiliar a equipe econômica do governo nesta fase de mudanças no regime cambial. Este será um apoio técnico, que deve contar também com a participação de especialistas de outros países. Segundo apuração do repórter Gustavo Freire, o Banco Central brasileiro (BC), por meio de sua Assessoria de Imprensa, confirmou há pouco que o presidente da instituição, Armínio Fraga, foi convidado pelo ministério da economia e pelo Banco Central da Argentina para fazer uma explanação sobre a experiência brasileira com a desvalorização do real em 1999.Na sexta-feira passada, os negócios no mercado de câmbio argentino foram retomados, após uma paralisação de 21 dias corridos. Em entrevista à repórter Denise Abarca, o presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet), o economista Antonio Corrêa de Lacerda, afirmou que a falta de liquidez do peso continuará segurando a sua cotação frente ao dólar. Na opinião do economista, a cotação deve romper a barreira dos 2 pesos por dólar já nos próximos dias. Hoje a Bolsa de Valores de Buenos Aires volta a operar. Mas ainda há muito o que fazer na Argentina e pouco se sabe sobre como o governo argentino vai resolver o seu problema do déficit fiscal ? a arrecadação do país não é compatível com o nível de gastos. Além disso, há problemas sociais profundos na Argentina. As taxas de desemprego estão muito altas e o processo de retomada do crescimento econômico no país deve ser lento, o que dificulta ainda mais as condições sociais do país. O fim da paridade cambial também mexe com os índices de inflação e um dos temores dos analistas é que a alta nos preços prejudique ainda mais a atividade econômica. Veja mais informações sobre a Argentina nos links abaixo.Veja os números do mercado financeiroNo Brasil, o dólar começou o dia em alta e às 11h27, a moeda norte-americana estava cotada a R$ 2,4090 na ponta de venda dos negócios, com alta de 0,29% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com baixa de 1,81%. No mercado de juros futuros, os contratos que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano pagam juros de 19,45% ao ano, frente a 19,39% ao ano registrados na sexta-feira.Não deixe de ver no link abaixo as perspectivas dos analistas para a semana no mercado financeiro e as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.