Mercados atentos à Argentina e Estados Unidos

Depois do feriado de ontem nos Estados Unidos - Dia do Trabalho -, o mercado financeiro começa o dia em compasso de espera por novos fatos na Argentina e por números que indiquem o ritmo do desaquecimento da economia norte-americana.Em relação ao país vizinho, apesar da arrecadação de impostos não ter diminuído na magnitude já esperada pelos analistas (veja mais informações no link abaixo), as incertezas permanecem e os conflitos políticos são considerados um grande risco neste momento. Com a proximidade das eleições parlamentares, em 14 de outubro, a expectativa é de que este problema fique ainda maior. Nos Estados Unidos, às 11 horas, será divulgado pela Associação Nacional dos Gerentes de Compras dos EUA (NAPM) o índice nacional de atividade industrial de agosto. A previsão é de retração, porém menor do que no mês anterior. O mercados podem reagir a mais este sinal do ritmo do desaquecimento norte-americano.Veja como está o mercado financeiroO dólar comercial começou o dia cotado a R$ 2,56000 e há pouco estava em R$ 2,5680, com alta de 0,08% em relação aos últimos negócios de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 22,990% ao ano, frente a 23,110% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 0,62%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - está em queda de 0,36%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - opera com queda de 0,72%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

04 de setembro de 2001 | 10h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.