Mercados atentos à Argentina mantêm equilíbrio

Os mercados brasileiros continuam mantendo o equilíbrio, apesar da piora do cenário argentino. O presidente Fernando De la Rúa encontra-se hoje com banqueiros e investidores norte-americanos. O objetivo do encontro é conseguir apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) e investidores internacionais para a reestruturação da dívida do país. Mas, sem o apoio total dos governadores das províncias, acredita-se que isso seja muito difícil.Reportagem do jornal The New York Times hoje destacou que o insucesso nas negociações pode significar que a Argentina não será capaz de oferecer ao presidente George W. Bush e aos banqueiros internacionais "uma contabilidade confiável sobre o orçamento da administração em 2002 e as necessidades de financiamento".O dólar comercial chegou a subir no início do dia e chegou ao patamar máximo de R$ 2,5550 e há pouco estava cotado a R$ 2,5260 na ponta de venda dos negócios, com queda de 0,24%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 20,550% ao ano, frente a 20,730% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com queda de 0,12%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires está em queda de 2,73%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - opera com queda de 0,17%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - registra baixa de 0,18%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.