Mercados atentos à inflação e ao cenário externo

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ficou em 0,38% no mês de março. O resultado ficou acima do registrado em março do ano passado, de 0,22%, mas abaixo do patamar verificado em fevereiro desse ano, quando chegou a 0,46%. No acumulado do ano, o IPCA está em 1,42%.Os índices de inflação ganharam importância maior desde a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), quando a taxa básica de juros (Selic) subiu de 15,25% para 15,75% ao ano. Isso porque a alta do dólar pode pressionar os índices de inflação, já que os produtos e matérias-primas importadas ficam mais caros. Levando-se em conta esse cenário e a importância dada pela equipe econômica para o cumprimento da meta inflacionária de 4% para esse ano - com possibilidade de alta ou baixa de dois pontos porcentuais -, a tendência para a inflação deve guiar as novas decisões do Comitê. A próxima reunião do Copom acontece nos dias 17 e 18 de abril e as opiniões dos analistas ainda estão divididas entre uma manutenção da Selic ou mais uma alta de juros. Cenário externoA situação na Argentina ainda é preocupante. No leilão de títulos da dívida do país realizado ontem, o governo pagou uma taxa acima das expectativas dos analistas - 10,35% contra 9,5% para os papéis de três meses. Isso significa que os investidores ainda exigem um prêmio elevado para assumir o risco desses papéis. Ou seja, há uma desconfiança sobre a capacidade do país em honrar suas dívidas e retomar o crescimento, o que ainda pode provocar instabilidade no mercado financeiro. Nos Estados Unidos, o clima de otimismo nas bolsas de Nova York, com a alta da Nasdaq - bolsa dos EUA que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - e do Índice Dow Jones - que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York -, nos últimos dias, vem contagiando os negócios no mercado acionário brasileiro. Porém, para que seja considerada uma recuperação sustentável na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) é necessário um aumento do volume de negócios e uma estabilidade no cenário externo. Veja a abertura do mercado financeiroA Bovespa está em baixa de 0,23%. O dólar comercial está cotado a R$ 2,1450 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,33% em relação aos últimos negócios de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 18,830% ao ano, frente a 18,820% ao ano registrados ontem.Veja no link abaixo a tabela Resumo Financeiro, com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

11 de abril de 2001 | 11h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.