Mercados atentos a Nova York e ata do Copom

Os mercados abriram mais otimistas hoje, recuperando-se do pessimismo dos últimos dias. Dólar e juros estão em queda, e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) apresenta alta. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) determinou a suspensão até as 12h dos negócios com as ações da Eletrobrás, Cesp, Cemig, Copel e Emae, em função do anúncio, em instantes, de novas medidas regulatórias do setor elétrico. As medidas podem influenciar a Bolsa hoje. Os mercados em Nova York ainda não abriram, mas os investidores devem continuar atentos aos acontecimentos nos Estados Unidos.As notícias objetivas são boas, já que há uma convergência de dados econômicos recentes indicando uma possível retomada do crescimento, mesmo que timidamente. Ainda é cedo para traçar uma tendência, e os números precisam ser confirmados, mas, de qualquer forma, o Fed - banco central norte-americano - ontem decidiu pela manutenção do juro básico em 1,75% ao ano. O mercado só esperava o fim da recessão entre o segundo e o terceiro trimestre de 2002, portanto, é uma surpresa agradável e deve repercutir nos negócios.O maior problema é que os investidores norte-americanos ainda não digeriram as recentes concordatas de grandes empresas e o escândalo de manipulação contábil que mascarou os balanços da Enron até a falência da empresa, surpreendendo os acionistas. A cautela predomina nos negócios, dados os temores de que novas perdas nas mesmas circunstâncias venham a ocorrer.O Banco Central divulgou a ata da reunião mensal de janeiro do Comitê de Política Monetária (Copom), realizada nos dias 22 e 23, justificando a decisão de manter em 19% anuais a Selic - taxa básica referencial de juros da economia. A ação foi antecipada pelo mercado pelos mesmos motivos indicados pelo Copom. A inflação mostrou-se pressionada, para o Comitê, desde dezembro, especialmente por causa da elevação dos preços administrados.O Copom considerou que a economia norte-americana deve retomar o crescimento no segundo trimestre, com efeitos positivos sobre o Brasil. Também alertou para o cenário externo - Argentina -, especialmente devido à possível instabilidade trazida pela sucessão presidencial. A boa notícia é que o governo em Buenos Aires negocia com o Fundo Monetário Internacional (FMI) a liberação de US$ 9 bilhões prometidos, mas retidos devido à crise recente, o que pode amenizar a situação. As exigências do Fundo são um pacote econômico coerente, orçamento ajustado e câmbio flutuante.Abertura dos mercadosÀs 11h30, o dólar comercial para venda estava cotado em R$ 2,4200, com queda de 0,49%. Os contratos de swap (troca) de títulos prefixados por pós-fixados com período de um ano pagavam juros de 20,32% ao ano, frente a 20,40% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em alta de 1,68%. Nos Estados Unidos, as bolsas só abrem às 12h30 de Brasília. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.