Mercados: Bolsa, dólar e juros em alta

Os investidores continuam demonstrando cautela em relação à situação argentina. Analistas apontam vários motivos para um equilíbrio nas cotações do dólar depois do fim da paridade cambial, entre elas a permanência de restrições aos saques bancários e a obrigatoriedade de as empresas terem de pedir autorização ao Banco Central (BC) para o pagamento de suas dívidas no exterior. Hoje, no início do dia, o dólar na Argentina era vendido a 1,95 peso.A preocupação dos investidores com a Venezuela é menor. Depois de cinco anos com o sistema de banda cambial, o país adotou o regime de câmbio flutuante. Ontem, no primeiro dia com o novo regime, o bolívar apresentou uma desvalorização de 19% em relação ao dólar. Hoje, a moeda venezuelana novamente se desvalorizou frente ao dólar.Segundo apurou a editora Daniela Ueda, analistas disseram que o bolívar pode cair ainda mais por causa da falta de credibilidade do programa econômico, fiscal e monetário do governo. O Banco Central do país já deixou claro que não vai queimar mais reservas para estancar a queda do bolívar, mas vai vender dólares para manter o funcionamento normal do mercado.O ritmo da atividade econômica norte-americana é outro foco de atenção para os investidores. Nesta manhã, o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos divulgou o número de pedidos de auxílio-desemprego feitos na semana até 9 de fevereiro, uma queda de 8 mil pedidos, a segunda diminuição consecutiva. Segundo pesquisa da Dow Jones, a queda esperada era de 1 mil pedidos. Este é mais um sinal de recuperação da economia norte-americana e as bolsas de Nova York reagem com alta moderada. O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - está em alta de 0,51%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - registra alta de 0,73%. No Brasil, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior divulgou os dados da balança comercial referente à segunda semana de fevereiro. Segundo apurou o editor Renato Andrade, foi registrado um saldo positivo de US$ 115 milhões. Com o resultado, a balança acumula no mês um superávit de US$ 131 milhões. No ano, o superávit comercial brasileiro atingiu US$ 306 milhões. A expectativa dos analistas para a balança é de um superávit em torno de US$ 5 bilhões para este ano. Esta expectativa tem influência direta para o mercado de câmbio, já que a balança comercial é uma das formas de entrada de recursos estrangeiros no País.Veja os números do mercado financeiroÀs 15h13, o dólar comercial era vendido a R$ 2,4280, com alta de 0,71% em relação aos últimos negócios de ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) está em alta de 0,87%. Os contratos de swap (troca) de títulos prefixados por pós-fixados com período de um ano pagam juros de 18,93% ao ano, frente a 18,81% ao ano ontem.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.