Mercados: bolsas em Nova York fecham em alta

Hoje os mercados no Brasil não operaram devido ao feriado de carnaval. No cenário internacional, os negócios transcorreram em ritmo normal. As bolsas de Nova York fecharam em alta. A Nasdaq - bolsa que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - acumulou valorização de 2,03%. O índice Dow Jones - que mede a valorização das ações mais negociadas em Nova York - registrou alta de 1,92%.A desaceleração da economia norte-americana deu novamente sinais do seu ritmo. Hoje foi divulgado o número de vendas de imóveis usados em janeiro. O resultado indicou uma queda de 6,6% em relação ao total de dezembro. Os analistas, que esperavam por um crescimento na venda de imóveis, consideraram que o resultado confirma que a economia dos EUA está, de fato, desacelerando e no ritmo planejado pelo FED. Segundo informações da agência de notícias Dow Jones, analistas consideram que, diante desse cenário, o banco central norte-americano (FED) pode até reduzir os juros antes da próxima reunião, em 22 de março. A taxa hoje está em 5,5% ao ano e já caiu um ponto porcentual desde o início de 2001. O economista do banco global de investimentos Lehman Brothers em Nova York, Ethan Harris, chegou a afirmar que, caso o FED tome essa decisão, o corte de juros poderá vir ainda essa semana e a chance de que isso aconteça é de 40%.A semana continua com divulgações e anúncios importantes nos Estados Unidos. Amanhã será divulgado o número de encomendas de bens duráveis também referente ao mês de janeiro e a pesquisa sobre o desempenho do comércio varejista até 24 de fevereiro. Na quarta-feira, o presidente do FED, Alan Greenspan, vai depor em Comitê da Câmara norte-americana. Situação na Argentina volta a preocuparA situação política na Argentina voltou a preocupar os analistas norte-americanos, principalmente em relação ao presidente do banco central do país, Pedro Pou. O executivo foi acusado de não ter impedido a remessa ilegal de recursos para o exterior. Além disso, a economia da Argentina não dá sinais de recuperação, o que preocupa ainda mais analistas e investidores. Reflexo disso foi o rebaixamento dos papéis da dívida da Argentina de "marketperform" - na média do mercado - para "levemente underweight" - abaixo da média pelo J. P. Morgan. No final da semana passada, a Merrill Lynch também alterou sua recomendação aos investidores para "modestamente underweight".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.