Mercados calmos, mas atentos à Argentina

Os mercados tiveram mais um dia de poucas emoções, dado o ambiente de estabilidade econômica. Juros estáveis, mantidos em níveis elevados por causa da apertada meta de inflação e economia mundial ainda lutando para sair da recessão, entre outros fatores, não dão muitos motivos para lances tanto pessimistas como otimistas. Mas os últimos acontecimentos da Argentina voltam a preocupar.A Corte Suprema da Argentina decretou ilegal o semi-congelamento dos depósitos bancários, conhecido como "corralito". Mas se os recursos forem liberados repentinamente, estima-se que um grande número de correntistas correria aos bancos para sacar dinheiro de suas contas, quebrando o sistema financeiro. Além disso, seria difícil conter uma escalada abrupta da inflação se houver uma injeção de recursos tão grande em tão pouco tempo. O mais provável é que o governo decrete um feriado bancário até conseguir controlar a situação.Deve ser anunciado amanhã um pacote econômico definindo a livre flutuação do peso e os critérios definitivos para conversão de dívidas e depósitos bancários em dólar. A expectativa é que as dívidas acima de US$ 100 mil sejam pesificadas a $1,2 pesos por dólar e os depósitos a $1,4 pesos. Mesmo sem agradar os poupadores, sobra uma diferença entre as cotações que pode sobrecarregar o sistema bancário. No câmbio livre, a moeda norte-americana já é negociada a $2,10. Fechamento dos mercadosO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,4100, com queda de 0,17%. Os contratos de swap (troca) de títulos prefixados por pós-fixados com período de um ano fecharam o dia pagando juros de 20,30% ao ano, frente a 20,31% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 0,50%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em alta de 1,26%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,13%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - em queda de 1,18%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.