Mercados cautelosos

Os mercados hoje apresentaram baixo volume de negócios, operando com estabilidade. O clima é de espera em relação ao pacote de ajuda financeira à Argentina, ao leilão do Banespa e à definição da eleição nos Estados Unidos.Funcionários do Fundo Monetário Internacional (FMI) devem chegar em Buenos Aires até o final da semana para concluir as negociações referentes ao pacote de ajuda financeira internacional. Fala-se em créditos de até US$ 20 bilhões. O governo argentino tem sinalizado positivamente em relação à adoção das medidas do pacote anunciado sexta-feira passada, basicamente cortando gastos. A nova versão do orçamento do ano que vem deve ser enviado ao Congresso na próxima semana e o acordo de contenção nas contas públicas com os governos provinciais foi assinado hoje com várias províncias. Ainda falta definir os termos da extinção da previdência estatal e a repartição do repasse de verbas federais no caso de a arrecadação de impostos aumentar. De qualquer maneira, o FMI já aprovou os acordos feitos. O inconveniente é que as centrais sindicais marcaram greves gerais para a semana que vem, nos dias 23 e 24.O leilão de privatização do Banespa, marcado para segunda-feira, está nos preparativos finais. Amanhã ocorrerá a pré-qualificação dos candidatos à compra. A previsão da maioria dos analistas é que o banco seja adquirido por um dos maiores grupos financeiros nacionais, o que frustra a expectativa de grande entrada de dólares. De qualquer modo, se o governo conseguir vencer a batalha de liminares contra o leilão, espera-se que seja alcançado um ágio significativo, de até 70%.Paralelamente, as bolsas nos EUA estão em queda. Os juros foram mantidos em 6,5% ao ano, confirmando a política de desaceleração da economia norte-americana do FED - banco central dos Estados Unidos. Além disso, a indefinição na eleição presidencial continua e não há previsão de solução do impasse nos próximos dias. Fechamentos dos mercadosFrente à indefinição das principais variáveis que norteiam os mercados, as cotações permaneceram relativamente estáveis. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 0,35%. O dólar fechou em R$ 1,9510, com queda de 0,10%. E os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 17,900% ao ano, frente a 18,090% ao ano ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.